Fórum CANALBOTAFOGO
Tópico de discussão

 
Páginas:
asouza
  OT - Possível futuro do futebol brasileiro

Desde 12/2008 • 10 anos de CANAL
Ceilandia/DF

Garrincha


Em 09/09/2019 às 19:52

Por Martin Fernandez e Rodrigo Capelo — São Paulo

09/09/2019 16h01  Atualizado há 3 horas


Rodrigo Maia, presidente da Câmara. O político visitou a CBF e o São Paulo e tem se movimentado para emplacar o clube-empresa — Foto: Luis Macedo/Câmara dos DeputadosRodrigo Maia, presidente da Câmara. O político visitou a CBF e o São Paulo e tem se movimentado para emplacar o clube-empresa — Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Rodrigo Maia, presidente da Câmara. O político visitou a CBF e o São Paulo e tem se movimentado para emplacar o clube-empresa — Foto: Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Está em curso um processo que vai mudar para sempre o futebol brasileiro. Governo federal, Senado, Câmara dos Deputados, CBF, federações estaduais, clubes, todos os atores poderosos trabalham para, de alguma maneira, permitir que os clubes de futebol se transformem em empresas. No lugar da associação sem fins lucrativos, modelo adotado por quase todos no país hoje, entrariam as sociedades anônimas ou limitadas.

Há duas ressalvas importantes a fazer antes de continuar. A primeira é que a mudança pode se dar apenas para que tudo continue como está. A segunda é que os envolvidos na discussão não chegaram a um consenso sobre qual é o melhor caminho.

A única certeza, por enquanto, é que o governo não deve obrigar ninguém a mudar. Deve, sim, haver estímulos. A postura é diferente da época da Lei Pelé (1998), em que a legislação tentou forçar a transformação, mas acabou sendo alterada após uma série de insucessos. As semelhanças param por aqui. Hoje há pelo menos três grupos com propostas diferentes para promover a mudança.

deputado federal Pedro Paulo (DEM-RJ) se tornou o principal expoente do projeto que nascerá na Câmara dos Deputados – com apoio do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Há expectativa de que seu projeto de lei, ainda a ser apresentado formalmente, seja votado na Câmara durante o mês de outubro.

No Senado, está em tramitação o Projeto de Lei do Senado 68/2017, que institui a Lei Geral do Esporte e regulamenta por tabela a criação de uma sociedade anônima específica para o esporte. Parado há dois anos, o projeto despertou interesse recente dos senadores e ex-atletas Romário (Podemos-RJ) e Leila (PSB-RJ) para que voltasse a avançar.

Ainda há o interesse do governo federal. O ministro da Economia, Paulo Guedes, escalou seu assessor especial Guilherme Afif Domingos para cuidar do tema. A pasta acompanha o desenrolar dos projetos que partem do Congresso, mas tem algumas ideias próprias – e divergentes – em relação aos demais.

GloboEsporte.com teve acesso a detalhes de cada um dos projetos e elenca, abaixo, as principais características de cada proposta.

Ainda é incerto que tipo de consequência a mudança na legislação terá nos clubes. Há os que já se movimentam, como o Botafogo, os que estão preparados para a novidade, como o Athletico-PR, e os que não querem mudar – como Corinthians e Flamengo. O impacto da mudança nos clubes será explicado em outra reportagem, a publicar nesta semana.

Pedro Paulo, deputado federal — Foto: Pablo Valadares/Câmara dos DeputadosPedro Paulo, deputado federal — Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Pedro Paulo, deputado federal — Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

 

O projeto da Câmara

 

O deputado federal Pedro Paulo possui um projeto chamado “Clube empresa”, formulado em setembro, que deverá ser apresentado para votação na Câmara entre 24 de setembro e 2 de outubro.

 

“O presidente Rodrigo Maia identificou isso como um tema prioritário, importante para o futebol brasileiro. Estamos fazendo um esforço concentrado para construir uma proposta de profissionalização dos clubes”, diz Pedro Paulo

 

O parlamentar entende que clubes não devem ser obrigados a se tornar empresas e defende que não deve existir uma sociedade anônima específica para o futebol ou para o esporte – como consta nas propostas formuladas pela equipe de Guilherme Afif Domingos e no Senado.

Pedro Paulo pretende estimular a migração de clubes para o modelo empresarial nas opções já existentes, como companhia limitada e sociedade anônima. Para que isso aconteça, o deputado quer oferecer uma série de benefícios.

 

  • Recuperação judicial

 

Hoje, empresas só podem entrar em estado de recuperação judicial caso tenham exercício regular em suas atividades por pelo menos dois anos. A ideia é que clubes de futebol possam entrar neste processo imediatamente após a migração para uma estrutura empresarial.

As regras formuladas pelo deputado permitiriam que um clube possa transferir todas as suas dívidas da associação para a empresa. A partir daí, as dívidas poderiam ser reestruturadas por meio do mecanismo da recuperação judicial, que já funciona para empresas convencionais.

Em resumo, clubes que entrarem em recuperação terão todos os bloqueios e penhoras suspensos por seis meses. Neste período, precisarão trabalhar em um Plano Global de Recuperação Judicial a ser submetido a credores como ex-funcionários e fornecedores.

Na prática, este mecanismo permite que haja um calote de grande parte da dívida, desde que os credores aceitem o plano proposto pela empresa. Entre não ter expectativa de receber o dinheiro que lhes é devido e recebê-lo dentro do prazo proposto pelo plano global, credores costumam perdoar entre 50% até mais de 90% dos valores devidos em recuperações judiciais. O restante poderia ser amortizado a prazo.

 

  • Novo refinanciamento de dívidas fiscais

 

Dívidas fiscais não poderão ser incluídas em processos de recuperação judicial. Neste caso, Pedro Paulo pretende aliviar as situações dos clubes com um percentual superior de reduções. Enquanto o Profut, em vigor, permitiu o abatimento de até 40% dos juros sobre as dívidas, a proposta aumentaria este percentual para 50%.

Em contrapartida, os clubes que aderirem a este refinanciamento por meio de suas empresas precisariam pagar antecipadamente cinco parcelas, equivalentes a 15% da dívida consolidada por meio do refinanciamento. As agremiações que optaram pelo Profut em 2015 não precisaram fazer um pagamento deste tipo após a entrada.

O deputado propõe um alongamento pelo mesmo prazo que o Profut, de 20 anos, para que os clubes consigam quitar impostos não pagos.

 

  • Fundo Garantidor para clubes quebrados

 

Pedro Paulo pretende criar um fundo que será abastecido por todos os clubes do país, com um percentual sobre o faturamento, cujo dinheiro poderá ser usado para resgatar clubes em “insolvência irreversível”.

Caso o mecanismo seja colocado em prática, todos os clubes da primeira divisão, por exemplo, precisariam dedicar um percentual mínimo de suas receitas para salvar aqueles que estão prestes a falir em escalões mais baixos – ou mesmo na primeira divisão.

 

“O presidente Rodrigo Maia quer uma proposta bem rápida. Até porque já tem muito conhecimento acumulado no tema. Vamos fazer uma grande audiência na Câmara, acreditamos que o presidente Bolsonaro vai apoiar o tema”, afirma Pedro Paulo ao GloboEsporte.com

 

 

  • Fim dos direitos trabalhistas para jogadores

 

O deputado federal propõe a “hiperssuficiência” de jogadores de futebol em relação aos seus direitos trabalhistas.

Hiperssuficiência, neste caso, significa que o jogador poderá assinar um contrato com o clube em questão sem que tenha direitos trabalhistas garantidos por ele. Ele se submeteria a uma relação cível e receberia apenas direitos de imagem, por exemplo.

Pedro Paulo pretende restringir esta situação a atletas com salários superiores a R$ 10 mil mensais, hoje equivalentes a cerca de 2,5% sobre todos os profissionais registrados pela CBF. Aqueles jogadores abaixo desta quantia continuariam a ter direitos trabalhistas obrigatórios.

Esta seria uma mudança em relação a algo que a reforma trabalhista mexeu recentemente. Depois dela, passou a ser permitido que profissionais de quaisquer setores possam abdicar do vínculo trabalhista caso cumpram dois requisitos: diploma universitário e remuneração superior a duas vezes o limite máximo dos benefícios do Regime Geral de Previdência Social (RGPS) – hoje limitado em R$ 11.600 mensais. Pedro Paulo quer eliminar a necessidade de diploma para o futebol.

 

  • Equiparação da tributação entre associações e empresas

 

Hoje, não há nada que impeça um clube de futebol de deixar o modelo de associação e entrar no de empresa – limitada ou sociedade anônima. Mas há um motivo contrário. Há impostos que são parcial ou totalmente isentos para associações que são cobrados de companhias.

Para estimular a migração para a estrutura empresarial, Pedro Paulo pretende aplicar todos esses impostos sobre associações sem fins lucrativos. A nota de corte seria um faturamento de R$ 5 milhões anuais. Todas as associações acima disso seriam tributadas, independentemente de se tornarem empresas limitadas ou S/As.

 

  • Duplicação do mecanismo de solidariedade

 

No projeto do deputado federal, clubes passariam a destinar até 10% de transferências nacionais para os respectivos formadores. O percentual aumenta conforme o número de anos em que o atleta passou pelas categorias de base do formador. Hoje, o limite é de 5%.

Romário, senador — Foto: Jane de Araújo/Agência SenadoRomário, senador — Foto: Jane de Araújo/Agência Senado

Romário, senador — Foto: Jane de Araújo/Agência Senado

 

O projeto do Senado

 

O Projeto de Lei do Senado 68/2017 não foi criado especificamente para a Sociedade Anônima Esportiva (SAE) – e sim voltado para instituir a Lei Geral do Desporto, mais abrangente. Mas o surgimento desta estrutura societária foi incluído entre os seus artigos.

A SAE é muito semelhante ao que projeto de lei que havia sido proposto por Otávio Leite, deputado federal entre 2014 e 2018, que propunha a Sociedade Anônima do Futebol (SAF). A diferença é que a adaptação proposta pelo Senado expande as regras para qualquer agremiação.

O texto deste projeto não versa sobre benefícios específicos aos clubes que se tornarem empresas, como perdão de dívidas ou a entrada facilitada em uma recuperação judicial. Em vez disso, a SAE apenas põe regras estruturais para que associações façam a migração para ela.

 

  • Direitos de ações classe A

 

O projeto prevê, por exemplo, a possibilidade de um acionista ter poder de veto em determinadas situações desde que mantenha pelo menos 10% de ações “classe A”.

Hipoteticamente, uma associação com 10% das ações sobre a sociedade anônima esportiva teria poder para vetar mudanças de cidades, escudos, símbolos, cores, além de medidas drásticas como pedido de falência ou recuperação judicial, mesmo que outros acionistas tenham 90% das ações desta classe. Isso para resguardar a tradição neste formato.

 

  • Veto a acionista com mais de uma SAE

 

Para evitar que Flamengo e Vasco tenham o mesmo dono, por exemplo, o projeto prevê a proibição da participação de um mesmo acionista sobre o capital social de duas SAEs. A medida é pensada para evitar conflitos de interesses e manipulação de resultados.

asouza

Desde 12/2008 • 10 anos de CANAL
Ceilandia/DF

Garrincha


Em 09/09/2019 às 19:54
 

Espero que o Rodrigo Maia consiga emplacar essa; vai ajudar pacas o Botafogo se conseguir.

fams

Desde o início • 12+ anos de CANAL
SP

Garrincha


Em 09/09/2019 às 20:57
 

O problema nessa história é que se o modelo for adotado por todos os clubes, por que um investidor iria optar por investir no Botafogo?

elramo

Desde o início • 12+ anos de CANAL
Rio de Janeiro/RJ

Garrincha


Em 09/09/2019 às 22:24
 

OBotafogo está saindo na frente. Bem na frente dos demais. E tem, por trás, investidores poderosos...

IN_FIRE

Desde 05/2011 • 8 anos de CANAL
Hell de Janeiro/RJ

Garrincha


Em 09/09/2019 às 22:33
 

Quem iria investir no Botafogo?

Moreira Salles, de forma escondida.

Porra, já é um avanço do caralho!




BOTAFOGO, BOTAFOGO,

UNIÃO:

NO PASSADO, NO FUTURO,

A CADA GERAÇÃO

BUSCA A JUSTIÇA EM CADA JOGO,

BOTAFOGO, TERÁS DE ENSINAR

QUE PARA VERMOS, A TUA ESTRELA BRILHAR

SERÁ PRECISO, CONTRA TODOS LUTAR

A BATALHA, ÁRDUA SERÁ,

MAS COM O NOSSO APOIO

HÁS DE SEMPRE CONTAR

 

 

  E O SEU “G” DE GLORIOSO É O QUE ASSENTE

QUE DE TODOS OS OUTROS FAZ-SE PRESENTE:

DIGNIDADE, A FIBRA DA TUA LUZ

QUE A SUA CHAMA PULVERIZE OS URUBUS

Rjkfogao

Desde 07/2019
Rio de janeiro/RJ

Mirim


Em 09/09/2019 às 22:47
 

Não seria obrigatorio e os times que estão bem não vão querer mudar de modelo. Pra que Flamengo, Gremio, Palmeiras, Internacional entre outros iriammudar sua forma de administração, passar por todo um periodo conturbado de reforma institucional se tudo esta dando certo?? Outros não mudariam por picuinhas internas como o Vasco e o Cruzeiro. Concordo com o elrano de que estamos saindo bem na frente da maior parte dos clubes! Dos de menor investimento so vejo o Athletico saindo na nossa frente nesse quesito. Bahia tambem teve mudanças interessantes nos últimos anos

BrunoGospel

Desde 01/2013 • 6 anos de CANAL
Taguatinga/DF

Garrincha


Em 10/09/2019 às 05:36
 

Rodrigo Maia podia montar um time em Bangu.

FOGÃO V.R.

Desde 01/2012 • 7 anos de CANAL
Volta Redonda/RJ

Garrincha


Em 10/09/2019 às 07:19
 

É claro que os outros clubes já estão promovendo estudos de viabilidade desse novo modelo.Ninguém vai ficar alheio à uma mudança tão radical na estrutura do futebol.
Não confio nessa "liderança"do Botafogo,tudo pra gente é enrolado.


IN_FIRE

Desde 05/2011 • 8 anos de CANAL
Hell de Janeiro/RJ

Garrincha


Em 10/09/2019 às 13:06
 

Claro, pro Botafoguense sempre o que é do próprio clube é o pior em relação aos outros.

Mesmo tendo sido o Botafogo dos 12 grandes a encabeçar o projeto.

Mas não, pro Botafoguense sempre vai dar ruim, sempre vai ser o pior, nunca vai dar certo. A vida em preto e branco!




BOTAFOGO, BOTAFOGO,

UNIÃO:

NO PASSADO, NO FUTURO,

A CADA GERAÇÃO

BUSCA A JUSTIÇA EM CADA JOGO,

BOTAFOGO, TERÁS DE ENSINAR

QUE PARA VERMOS, A TUA ESTRELA BRILHAR

SERÁ PRECISO, CONTRA TODOS LUTAR

A BATALHA, ÁRDUA SERÁ,

MAS COM O NOSSO APOIO

HÁS DE SEMPRE CONTAR

 

 

  E O SEU “G” DE GLORIOSO É O QUE ASSENTE

QUE DE TODOS OS OUTROS FAZ-SE PRESENTE:

DIGNIDADE, A FIBRA DA TUA LUZ

QUE A SUA CHAMA PULVERIZE OS URUBUS

fams

Desde o início • 12+ anos de CANAL
SP

Garrincha


Em 10/09/2019 às 14:19
 

In_fire,

Em um mundo de investimentos, ter encabeçado algo não significa muita coisa. O que importa é o retorno financeiro esperado. MS já disseram que não são messias e  não têm interesse em mandar no clube. Eles aplicaram no clube, investindo em um CT de retorno incerto e contratando um estudo para profissionalizar o futebol do clube. Tais aplicações foram por paixão, assim como outros têm contribuído com o clube. No mundo dos investimentos, paixão não é o motor.

Aliás, dizer que o Botafogo liderar algo politicamente é rizível. A última vez que isso aconteceu, tomammos a frente na implosão do clube dos 13, achando que iríamos nos dar bem. O resultado foi esse que todos sabem. Estamos mais para boi de piranha do que para liderar movimento. 



FOGÃO V.R.

Desde 01/2012 • 7 anos de CANAL
Volta Redonda/RJ

Garrincha


Em 10/09/2019 às 16:20
 

In_fire,vc é novo ainda meu caro.

Quem acompanha esse clube há mais de 45 anos já está curtido,sabe bem como o Botafogo funciona.Tomara que seja diferente daqui pra frente,mas o nosso histórico em qualquer assunto relacionado a administração sempre foi catastrófico.


mineirow@hotmail.com

Desde 09/2013 • 6 anos de CANAL
zona rural/MG

Garrincha


Em 10/09/2019 às 18:27
 

A administração do Botafogo sempre foi amadora.

clube amador que deu certo, que não fechou, que comemorou centenário, que tem história, mas amador.

 





O BOTAFOGO ME OBRIGA A BEBER!

☆   Libertas quae sera tamem  ☆

 

 

 

Mineiro♣

 

 

 

starsax

Desde 05/2009 • 10 anos de CANAL
DF

Garrincha


Em 11/09/2019 às 13:03
 

Ué... Quem vai investir? Os mesmos! 90% desses investidores são botafoguenses doentes.

gunarfogo

Desde 10/2017 • 1 ano de CANAL
volta redonda/RJ

Nilton Santos


Em 11/09/2019 às 13:07
 

https://youtu.be/zOKoL3VPbMs

gunarfogo

Desde 10/2017 • 1 ano de CANAL
volta redonda/RJ

Nilton Santos


Em 11/09/2019 às 13:10
 

https://youtu.be/zOKoL3VPbMs

JUVENAL

Desde 11/2012 • 6 anos de CANAL
Rio de Janeiro/RJ

Profissional


Em 11/09/2019 às 15:42
 

kkkkkkk

Somos muito sonhadores!

Mas acreditar não custa nada! 



 
Páginas:

Fórum CANALBOTAFOGO - O Seu portal do Botafogo de Futebol e Regatas