Fórum CANALBOTAFOGO
Tópico de discussão

 
Páginas:
cadu
  Quem se habilitaria a dirigir o clube?

Desde o início • 12+ anos de CANAL
Rio de Janeiro/RJ

Garrincha


Em 18/02/2021 às 22:30

Considerando os comentários e críticas que aqui são postados, percebemoss que o Canal Botafogo é frequentado por pessoas muito gabaritadas, capacitadas e bastante conhecedoras de gestão esportiva. Quem aqui se considera capaz de gerir o clube na situação pré-falimentar que hoje se encontra? Quem aceitaria esse desafio, na condição de gestor profissional remunerado?

fidel_garrincha

Desde 08/2012 • 8 anos de CANAL
Rio de Janeiro/RJ

Garrincha


Em 18/02/2021 às 22:41
 

Pelos comentarios, acho que o Emilio seria o unico capaz de fazer um trabalho minimamente decente. O resto só afundaria ainda mais o clube.

cadu

Desde o início • 12+ anos de CANAL
Rio de Janeiro/RJ

Garrincha


Em 18/02/2021 às 22:41
 

Eu, apesar de ter alguma experiência administrativa e ter cursado MBA de Gestão Empresarial, não me sinto nem um pouco capaz de um desafio dssa envergadura.

elramo

Desde o início • 12+ anos de CANAL
Rio de Janeiro/RJ

Garrincha


Em 18/02/2021 às 23:13
 

Eu, apesar de ser e ter sido gestor de várias organizações e conhecer um pouco as entranhas do clube, não me considero apto para esse desafio...

igoraguirre

Desde 03/2014 • 6 anos de CANAL
Resende/RJ

Infantil


Em 18/02/2021 às 23:38
 

fidel_garrincha disse:
Pelos comentarios, acho que o Emilio seria o unico capaz de fazer um trabalho minimamente decente. O resto só afundaria ainda mais o clube.

Não conheço ninguém aqui no CanalBotafogo. Como já falei em outras oportunidades, sou do interior do RJ e não tenho nenhuma vivência dentro do clube. O máximo que fico sabendo é por um primo que é Sócio Proprietário. 

 

Em relação ao Emílio, pelas suas palavras, ele parece ter muita capacidade e conhecimento do BFR. Se tivessem mais Emílios dentro do clube, estaríamos bem.. 



Marechal Severiano

Desde 09/2008 • 12 anos de CANAL
Rio de Janeiro/RJ

Garrincha


Em 19/02/2021 às 00:46
 

(Saindo  mais uma vez do exílio)

 

Não sei quem aqui tem esses atributos. O que eu acho é que quem se propõe a dirigir o clube (e é escolhido para isso) tem que ser (ou DEVERIA ser) gabaritado, capacitado e conhecedor de gestão esportiva. 

 

Retorno novamente ao meu exílio. 



Cadu

Desde o início • 12+ anos de CANAL
Rio de Janeiro/RJ

Garrincha


Em 19/02/2021 às 01:08
 

Marechal Severiano disse:

(Saindo  mais uma vez do exílio)

 

Não sei quem aqui tem esses atributos. O que eu acho é que quem se propõe a dirigir o clube (e é escolhido para isso) tem que ser (ou DEVERIA ser) gabaritado, capacitado e conhecedor de gestão esportiva. 

 

Retorno novamente ao meu exílio. 


Concordo 100%.


fidel_garrincha

Desde 08/2012 • 8 anos de CANAL
Rio de Janeiro/RJ

Garrincha


Em 19/02/2021 às 01:10
 

Marechal Severiano disse:

(Saindo  mais uma vez do exílio)

 

Não sei quem aqui tem esses atributos. O que eu acho é que quem se propõe a dirigir o clube (e é escolhido para isso) tem que ser (ou DEVERIA ser) gabaritado, capacitado e conhecedor de gestão esportiva. 

 

Retorno novamente ao meu exílio. 

Falou tudo


Msb

Desde 12/2019 • 1 ano de CANAL
Nova Friburgo/RJ

Garrincha


Em 19/02/2021 às 01:16
 

Marechal Severiano disse:

(Saindo  mais uma vez do exílio)

 

Não sei quem aqui tem esses atributos. O que eu acho é que quem se propõe a dirigir o clube (e é escolhido para isso) tem que ser (ou DEVERIA ser) gabaritado, capacitado e conhecedor de gestão esportiva. 

 

Retorno novamente ao meu exílio. 


X1000 





If Stemp is right, good things come. If Stemp is right, in 2021 no one will hold Putfire.

Nicanor Passos

Desde 09/2020
Goiânia/GO

Nilton Santos


Em 19/02/2021 às 01:18
 

Tópico interessantíssimo. Agora só falta os indicados e os que se oferecerem responder à minha pergunta: "E se você fosse o Presidente"? Pois é... Quero ver agora, quem se habilita a dizer o que faria como Gestor, para mudar a situação do clube, quanto aos seguintes aspectos: 

A) Sócio-Torcedor - Como primeiro ato, concederia o sacrossanto direito de o torcedor votar nas assembleias gerais do Botafogo, ou deixaria como está, apenas no "embromation", como fez o CEP, para iludir torcedores trouxas?

B) Separação do futebol do clube social - Separaria o futebol do clube social? Qual seria a modalidade societária que adotaria com a separação? Criaria uma S/A? Aproveitaria a S/A já existente (Cia Botafogo) para agilizar o processo de separação do clube? Adotaria o sistema Cooperativa? Criaria uma empresa por cotas de responsabilidade Ltda? Manteria o sistema de associação civil, atual, mas separaria o futebol do clube social?

C) Centro de Treinamentos - O que faria com o Espaço Lonier, adquirido para servir de CT, pelos Moreira Salles? Devolveria o imóvel aos IMS, como pretende o atual presidente? Negociaria com os IMS para que eles assumissem as obras, devolvendo o imóvel, mas concedendo prazo para o Botafogo utilizar o espaço por alguns anos? Convocaria os torcedores a assumir a construção, como fizeram com o CT do Vasco? Passaria apenas um batom no local e já colocaria os atletas para ali treinar, e, paralelamente, com a ajuda dos torcedores, ir aos poucos tocando as obras?

D) Categorias de Base - O que faria para o Botafogo voltar a ser um clube formador de talentos, como ocorria nos tempos do Neca? Adotaria o Manual do mestre LS Cunha, para servir de modelo a ser adotado pelos treinadores das categorias de base?

E) Relação com Empresários da Bola - Manteria o atual sistema de contratos firmados com "Boleiros" nas contratações do time de futebol? Romperia, aos poucos, com o modelo de "vitrine" ou "time de aluguel", que se acha instalado no clube, há décadas, entre o Botafogo e empresários da bola?

F) Patrimônio Físico - O que faria com o Estádio Nilton Santos? Esperaria vencer o prazo de concessão e não renovaria o contrato, devolvendo o imóvel à Prefeitura do Rio? Quais seriam as medidas que adotaria para tornar o Nilton Santos rentável e acabar com o déficit financeiro que a praça esportiva acarreta mensalmente ao clube? O faria com o imóvel de Marechal Hermes, para angariar recursos ao clube? E Caio Martins? Qual seria a sua destinação? O que faria com o imóvel doado pela Dona Terezinha, para arrecadar recursos financeiros para o Botafogo?

G) Reforma Estatutária - Faria uma reforma ampla, geral e irrestrita no Estatuto do Botafogo? O que alteraria no novo estatuto? Extinguiria o quadro social de Grandes Beneméritos e Beneméritos? Manteria os atuais e "inchados" Conselho Diretor, Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal, ou diminuiria a quantidade de membros nesses órgãos, para acabar com o sistema de baronato que comanda o clube?

H) Escolinhas de Futebol - Criaria Escolinhas de Futebol para o clube? Se afirmativa a resposta, qual seria o modelo de financiamento e de manutenção? Franquias? Manutenção pelo clube? 

I) Marketing - Manteria o atual modelo de funcionamento no clube, ou reformularia o departamento, mediante a contratação de profissionais qualificados, de forma remunerada? Convidaria formadores de opinião para assumir o departamento, como por exemplo, o Felipe Neto?

J) Missão, Visão, Objetivos e Valores - Descrever

L) Relacionamento com a Torcida - O que faria para alterar a relação de distanciamento que o clube sempre manteve com os torcedores, desde a sua fundação? Que tratamento daria aos membros de Torcidas Organizadas? O que mudaria na Ouvidoria do clube, que existe, mas não funciona?

M) Fontes de Custeio - Qual seria o planejamento estratégico para maximizar as principais fontes de custeio do clube? E quanto as fontes alternativas de custeio? Quais outras fontes, além das tradicionais, buscaria para monetizar as finanças do clube?

N) "Olheiros" - O que mudaria no sistema de captação de talentos, espalhados pelo Brasil, para trazê-los ao Botafogo?

O) Dívidas - O que faria no curto, médio e longo prazos para sanar as dívidas do clube?

Por enquanto, é só. Se alguém lembrar de mais alguma coisa, sinta-se à vontade para opinar e questionar.

Por derradeiro (e antes que me esqueça): ESTOU FORA! Recolho-me à minha insignificância, pois não me julgo capacitado para colocar o Botafogo nos trilhos. Continuarei, aqui, a desempenhar o meu reles papel de "pedra". Por experiência própria, não desejo ao meu pior inimigo a difícil tarefa de ser "vidraça". 

 



Msb

Desde 12/2019 • 1 ano de CANAL
Nova Friburgo/RJ

Garrincha


Em 19/02/2021 às 02:00
 

Vamos brincar nessas questões aí.

 

a) vantagens aos Off-RIO, graduação ampla de planos, um plano "só pra ajudar" e ter uma carteirinha .pdf oficial pra imprimir, (hoje, não tenho convicção no voto de ST)

 

B)  pra ontem, mas não saberia um modelo, não por não acreditar em muitos, mas por achar que qualquer separação feita por pessoas sérias e profissionais seria positiva.

 

C) Sentaria com os MS pra conversar sobre. Devolver ou desistir seria um tiro grande no pé, está lá, a condição está dada. Os caras parecem que, digamos, não precisam desse dinheiro pra amanhã, então entendo que demonstrando seriedade, eles voltam ao jogo.

 

 D) não tem que reinventar a roda, faz uma comissão, em Y, metade vai pra clubes de apenas na venda (clubes de empresários), outra, vai pra clubes que focam o uso da base com retorno técnico, o Botafogo precisa dos dois: vender os melhores (num primeiro momento, segurá-los seria utópico) e  usar os medianos pra composição de elenco. Se o fluminense consegue, qualquer um consegue. A excelência leva tempo, mas a meia-bomba já tiraria a cabeça da água. Colocaria uma exigência orçamentária de % obrigatório de cada venda retornando para a base.

 

E) sair da condição de prostituta pra condição de acompanhante já ajudaria.

 

F) não faço ideia.

 

H)  acho isso mais bonito que eficiente. Seria capaz de ceder a marca Botafogo pra qualquer projeto filantrópico de esportes pra crianças vulneráveis. Visando profissionalismo, apenas a base própria.

 

G) impossível sem reinventarmos a guilhotina.

 

I) como eu trabalho com gestão de imagem e reputação, posso garantir que não tem reinvenção de roda em mkt também, eu "comrparia" uma equipe jovem que esteja desempenhando um bom trabalho, mesmo que não fosse na área esportiva, é caro*. E não contrataria um Felipe Neto da Vida, mas, poderia pedir a ele uma indicação dessa pretendida equipe pronta,  digamos. 

 

J) o Hino.

 

L) transparência, demonstrar o tamanho da pica em que nossos antigos gestores nos colocaram sentados, traçar uma "meta" da relação ANOS DE TRABALHO x MERDA, com 1 ano a gente pode o quê? 2? 3? Quantos anos até a gente trazer um contratação nacional? Etc. Também, não tem reinvenção, está aí. Tem rival que fez isso. Conhecimento não tem time. Olha, aprende.

 

 M) equipe pronta, infelizmente. Iria dar um papo no ouvido de uma garotada do mercado, pro futebol em si, assediaria profissionais de times do Nordeste, pra áreas alternativas, volto ao modelo de marketing, "equipe fechada" que desempenhe um trabalho atualmente.

 

N) iria de moderninhos de drone e sapatênis a caras como o Cunha, que seriam capazes de achar, com um binóculos, um lápis e um bloco de jogo do bicho, uma meia dúzia de garotos em qualquer campeonato remoto.

 

O)  transparência. Não existe divida zero. Eu tentaria passar de inadimplente a devedor no máximo de ações que desse, o mercado vê isso de forma positiva, o devo-não-nego-pago-se-puder, corre atrás, senta, mas sai da sombra, tem se ser muito combativo com corrupção interna, dar o exemplo. Publicaria a auditoria e/ou faria outra.

 

* quando eu digo que uma equipe pronta é cara, ou que um profissional é caro, eu quero dizer custa menos meia dúzia de contratações mal feitas. Um Cícero investido no setor certo já seria uma revolução.

 

De forma geral, lugar de torcedor é torcendo. Não teria torcedor profissional no clube.





If Stemp is right, good things come. If Stemp is right, in 2021 no one will hold Putfire.

Mineirow@hotmail.com

Desde 09/2013 • 7 anos de CANAL
zona rural/MG

Garrincha


Em 19/02/2021 às 04:46
 

Totalmente incapaz.

Boa sorte pra quem se habilitar. 





Botafogo, do 'CEO' ao inferno em 15 dias.

 

Mineiro♣

 

 

 

Nicanor Passos

Desde 09/2020
Goiânia/GO

Nilton Santos


Em 19/02/2021 às 07:56
 

Msb disse:

Vamos brincar nessas questões aí.

 

a) vantagens aos Off-RIO, graduação ampla de planos, um plano "só pra ajudar" e ter uma carteirinha .pdf oficial pra imprimir, (hoje, não tenho convicção no voto de ST)

 

B)  pra ontem, mas não saberia um modelo, não por não acreditar em muitos, mas por achar que qualquer separação feita por pessoas sérias e profissionais seria positiva.

 

C) Sentaria com os MS pra conversar sobre. Devolver ou desistir seria um tiro grande no pé, está lá, a condição está dada. Os caras parecem que, digamos, não precisam desse dinheiro pra amanhã, então entendo que demonstrando seriedade, eles voltam ao jogo.

 

 D) não tem que reinventar a roda, faz uma comissão, em Y, metade vai pra clubes de apenas na venda (clubes de empresários), outra, vai pra clubes que focam o uso da base com retorno técnico, o Botafogo precisa dos dois: vender os melhores (num primeiro momento, segurá-los seria utópico) e  usar os medianos pra composição de elenco. Se o fluminense consegue, qualquer um consegue. A excelência leva tempo, mas a meia-bomba já tiraria a cabeça da água. Colocaria uma exigência orçamentária de % obrigatório de cada venda retornando para a base.

 

E) sair da condição de prostituta pra condição de acompanhante já ajudaria.

 

F) não faço ideia.

 

H)  acho isso mais bonito que eficiente. Seria capaz de ceder a marca Botafogo pra qualquer projeto filantrópico de esportes pra crianças vulneráveis. Visando profissionalismo, apenas a base própria.

 

G) impossível sem reinventarmos a guilhotina.

 

I) como eu trabalho com gestão de imagem e reputação, posso garantir que não tem reinvenção de roda em mkt também, eu "comrparia" uma equipe jovem que esteja desempenhando um bom trabalho, mesmo que não fosse na área esportiva, é caro*. E não contrataria um Felipe Neto da Vida, mas, poderia pedir a ele uma indicação dessa pretendida equipe pronta,  digamos. 

 

J) o Hino.

 

L) transparência, demonstrar o tamanho da pica em que nossos antigos gestores nos colocaram sentados, traçar uma "meta" da relação ANOS DE TRABALHO x MERDA, com 1 ano a gente pode o quê? 2? 3? Quantos anos até a gente trazer um contratação nacional? Etc. Também, não tem reinvenção, está aí. Tem rival que fez isso. Conhecimento não tem time. Olha, aprende.

 

 M) equipe pronta, infelizmente. Iria dar um papo no ouvido de uma garotada do mercado, pro futebol em si, assediaria profissionais de times do Nordeste, pra áreas alternativas, volto ao modelo de marketing, "equipe fechada" que desempenhe um trabalho atualmente.

 

N) iria de moderninhos de drone e sapatênis a caras como o Cunha, que seriam capazes de achar, com um binóculos, um lápis e um bloco de jogo do bicho, uma meia dúzia de garotos em qualquer campeonato remoto.

 

O)  transparência. Não existe divida zero. Eu tentaria passar de inadimplente a devedor no máximo de ações que desse, o mercado vê isso de forma positiva, o devo-não-nego-pago-se-puder, corre atrás, senta, mas sai da sombra, tem se ser muito combativo com corrupção interna, dar o exemplo. Publicaria a auditoria e/ou faria outra.

 

* quando eu digo que uma equipe pronta é cara, ou que um profissional é caro, eu quero dizer custa menos meia dúzia de contratações mal feitas. Um Cícero investido no setor certo já seria uma revolução.

 

De forma geral, lugar de torcedor é torcendo. Não teria torcedor profissional no clube.

Bom dia, Msb

Considerando o fato de que, embora negasse (atitude politicamente correta, já que, todo bom “político”, apesar de negar, para não se queimar ao sair na frente, e, para não correr riscos na reta final, sempre diga “não sou candidato de mim mesmo, mas se a maioria me escolher, para o bem maior do partido/clube/instituição, não me furtarei ao chamamento”), foi a única pessoa que apresentou-se como um verdadeiro candidato ao cargo – ao responder todos os questionamentos que apresentei – também vou “brincar um pouco”, bancando o Gestor de Recursos Humanos.

Desse modo, farei de conta que fui requisitado pelo Botafogo para escolher o capital humano (pessoa certa) que o clube necessita, analisando as tuas respostas.

De antemão, esclareço que, pelo menos até que outros foristas também respondam ao questionário apresentado, você já desponta como um sério candidato ao cargo, porque, tecnicamente não se furtou a enfrentar os seguintes procedimentos da seleção: preencheu a tua ficha, foi entrevistado, respondeu ao questionário, participou de uma dinâmica de grupo, mostrou ter personalidade forte e equilibrada, fez uso de psicologia ao responder questões delicadas – embora tivesse deixado fazer ou simular análise de desempenho em dois quesitos (letras “F” e “J” ) que julgo imprescindíveis para a “guinada” que o clube tanto necessita.

Posso prosseguir “com a brincadeira”? kkkkkk



Nicanor Passos

Desde 09/2020
Goiânia/GO

Nilton Santos


Em 19/02/2021 às 08:22
 

cadu disse:
Considerando os comentários e críticas que aqui são postados, percebemoss que o Canal Botafogo é frequentado por pessoas muito gabaritadas, capacitadas e bastante conhecedoras de gestão esportiva. Quem aqui se considera capaz de gerir o clube na situação pré-falimentar que hoje se encontra? Quem aceitaria esse desafio, na condição de gestor profissional remunerado?

Bom dia, Cadu

Em primeiro lugar, na condição de botafoguense e de defensor ferrenho da tese segundo a qual o principal papel de um fórum como este é a realização de dinâmicas de grupo, com temas desafiadores voltados para determinadas situações que possam contribuir, direta ou indiretamente, com o Botafogo, gostaria de parabenizá-lo pela iniciativa da postagem lançada para debates. Trata-se de tópico que gostaria de tê-lo feito. Faltou-me capacidade para fazê-lo, contudo.

Em segundo lugar, topei “brincar” (expressão cunhada pelo Msb) com a tua iniciativa e atrevi-me a bancar uma espécie “Gestor de Recursos Humanos”, formulando alguns questionamentos – que considero imprescindíveis para colocarmos o Botafogo “nos trilhos”. Peço desculpas pelo atrevimento, sem, antes, tê-lo consultado, já que é o autor do excelente e delicioso post.

Finalmente, como “Gestor de Recursos Humanos” (mas, também, porque, cada um a seu modo, no fundo, somos todos críticos do quadro de gerenciamento ou de administração em que se encontra o Botafogo), já que você é o autor do post, gostaria que respondesse os quesitos apresentados, para que pudéssemos analisar se o Cadu está, ou não, preparado para o desempenho do cargo.

Grande abraço.



ultra

Desde 06/2011 • 9 anos de CANAL
Fortaleza/CE

Garrincha


Em 19/02/2021 às 08:54
 

Alguém conseguiria fazer pior que CEP, Montebosta e sua turma fizeram em 2020/21?

Nicanor Passos

Desde 09/2020
Goiânia/GO

Nilton Santos


Em 19/02/2021 às 08:56
 

fidel_garrincha disse:
Pelos comentarios, acho que o Emilio seria o unico capaz de fazer um trabalho minimamente decente. O resto só afundaria ainda mais o clube.

Bom dia, Fidel_Garrincha

Já que resolvi “entrar na brincadeira” (aqui, fazendo uso da expressão leve utilizada pelo Msb), bancando uma espécie de “Gestor de Recursos Humanos”, o selecionador de eventuais candidatos ao cargo sugerido pelo Cadu, gostaria que justificasse o porquê da tua afirmação segundo a qual, afora o Emílio, “o resto só afundaria ainda mais clube”.

Explico o porquê do pedido de esclarecimento: Por acaso, você leu, profundamente, a série aqui publicada sob o título “Consertando o Botafogo”, contendo vários Capítulos, que esmiúçam tudo o que ocorre de errado que existe no clube e como consertar tais equívocos, de autoria do forista Bernardo Santoro – o Kosh – conhecedor profundo da instituição, o qual, inclusive, já ocupou cargo no clube? Na minha modesta opinião, embora o Santoro, ultimamente, não tenha participado de debates aqui no CB, seria o candidato ideal para assumir não apenas o cargo de Gestor Remunerado, mas quiçá de Presidente do Botafogo.

Não quero, com isso, desmerecer a pessoa do Emílio (mesmo porque seria leviandade da minha parte tecer juízo de valor sobre a sua capacidade gerencial), mas, o Msb é uma prova concreta de que “de onde não se espera é que aparecem” (pessoas). Quem garantiria, por exemplo, que o Vini-s, ou o Pietrantônio, o Mestre LS Cunha, o próprio Cadu, ou Tadeu20, ou até mesmo você, não desempenhariam melhor gestão do que os que, nos últimos anos, estão à frente, comandando o Botafogo? Por quais motivos os colegas citados “afundariam ainda mais o clube”, se formos compará-los com o Montenegro? Só porque o Montenegro teria mais dinheiro do que os “colegas de sofrimento” citados?



Nicanor Passos

Desde 09/2020
Goiânia/GO

Nilton Santos


Em 19/02/2021 às 08:59
 

ultra disse:
Alguém conseguiria fazer pior que CEP, Montebosta e sua turma fizeram em 2020/21?

Bom dia, Ultra

Dito de outro modo, essa é a pergunta que acabei de formular ao Fidel_Garrincha. Confira. 

 



cadu

Desde o início • 12+ anos de CANAL
Rio de Janeiro/RJ

Garrincha


Em 19/02/2021 às 10:05
 

Nicanor Passos disse:
cadu disse:
Considerando os comentários e críticas que aqui são postados, percebemoss que o Canal Botafogo é frequentado por pessoas muito gabaritadas, capacitadas e bastante conhecedoras de gestão esportiva. Quem aqui se considera capaz de gerir o clube na situação pré-falimentar que hoje se encontra? Quem aceitaria esse desafio, na condição de gestor profissional remunerado?

Bom dia, Cadu

Em primeiro lugar, na condição de botafoguense e de defensor ferrenho da tese segundo a qual o principal papel de um fórum como este é a realização de dinâmicas de grupo, com temas desafiadores voltados para determinadas situações que possam contribuir, direta ou indiretamente, com o Botafogo, gostaria de parabenizá-lo pela iniciativa da postagem lançada para debates. Trata-se de tópico que gostaria de tê-lo feito. Faltou-me capacidade para fazê-lo, contudo.

Em segundo lugar, topei “brincar” (expressão cunhada pelo Msb) com a tua iniciativa e atrevi-me a bancar uma espécie “Gestor de Recursos Humanos”, formulando alguns questionamentos – que considero imprescindíveis para colocarmos o Botafogo “nos trilhos”. Peço desculpas pelo atrevimento, sem, antes, tê-lo consultado, já que é o autor do excelente e delicioso post.

Finalmente, como “Gestor de Recursos Humanos” (mas, também, porque, cada um a seu modo, no fundo, somos todos críticos do quadro de gerenciamento ou de administração em que se encontra o Botafogo), já que você é o autor do post, gostaria que respondesse os quesitos apresentados, para que pudéssemos analisar se o Cadu está, ou não, preparado para o desempenho do cargo.

Grande abraço.


Prezado Nicanor

Achei muito bom o seu questionário. Responderei mais tarde, com bastante calma, atenção e critério. 

Mas posso adiantar-lhe uma coisa: ainda que, eventualmente, eu possa compartilhar alguma boa ideia, não me sinto nem um pouco preparado para tão árdua missão. 

Ao longo dos muitos anos em que acompanho o Botafogo, só vi um presidente altamente capacitado e com os requisitos à altura do cargo: o saudoso Bebeto de Freitas. Mas nem ele conseguiu desvendar os insondáveis subterrâneos da sauna e dos seus frequentadores, que costumo chamar de "forças ocultas". São aqueles que tratam o Botafogo como um feudo, um mero clube social, se impõem pelo sobrenome dos seus bizavós fundadores do clube, se locupletam com empresários e administram mal o clube, se não por má-fé, por completo amadorismo.

Novamente citando o Bebeto de Freitas: "o problema do Botafogo está dentro do próprio Botafogo".



vini-s

Desde 02/2016 • 5 anos de CANAL
Porto Alegre/RS

Garrincha


Em 19/02/2021 às 10:13
 

Ninguém está qualificado o suficiente pra esse rabo de foguete, e qq um que pegar fatalmente vai fazer bastante merda.

 

Mais da metade que se manifesta aqui faria pior...

tem os que apoiaram a ruptura com a Globo e a MP do Flamengo (tm) achando que ia ser bom pras finanças, p ex. Tem muito (ex) fã do Rotenberg só pq ele frequentava o espaço (e teriam dado carta branca tbm).





 


Tadeu20 disse: 

 

Vou preparar as camisinhas e o melhor lubrificante que tiver, um monte de gente querendo me fuder. kkkkkk

Só peço permissão pra poder morder o punho ou a fronha, ou o travesseiro inteiro. kkkkkk

 

 

 

 

A Globo não quis pagar ou não tinha 100mi. E sabia que se fizesse isso, sofreria ação dos outros 3 Cariocas pedindo equipração.

Nicanor Passos

Desde 09/2020
Goiânia/GO

Nilton Santos


Em 19/02/2021 às 10:37
 

vini-s disse:

Ninguém está qualificado o suficiente pra esse rabo de foguete, e qq um que pegar fatalmente vai fazer bastante merda.

 

Mais da metade que se manifesta aqui faria pior...

tem os que apoiaram a ruptura com a Globo e a MP do Flamengo (tm) achando que ia ser bom pras finanças, p ex. Tem muito (ex) fã do Rotenberg só pq ele frequentava o espaço (e teriam dado carta branca tbm).

Bom dia, Vini-s

Permita-me divergir, em parte, da tua opinião. Explico: pelos motivos que apontei ao Fidel_Garrincha (confira-os), não acho que todos aqui fariam pior gestão do que o que a “Turma da Rodinha” vem fazendo, desde que passou a ser comandada pelo Montenegro.

Como eu poderia afirmar que, exemplificativamente, você (dentre tantos outros colegas citados na minha resposta ao colega) não estaria apto a assumir relevante função para colocar o Botafogo nos trilhos?

E foi, justamente, por isso que, encampando a “brincadeira” do Msb (uma grata surpresa para mim, diga-se de passagem), é que resolvi também “brincar de Gestor de RH” ao formular os quesitos neste post.

Afinal, quem poderá me garantir que (caso resolvas também “entrar na brincadeira” e apresente respostas àquelas perguntas), você não seria um excelente – no mínimo, melhor gestor do que os que têm administrado o Botafogo, nas últimas décadas?

Estou convencido que o clube “pior do que está, você não deixaria ficar”. E se essa minha divergência não for suficiente para convencê-lo a mudar de opinião, refaço-a para dizer-lhe que, senão neste, pelo menos noutro cargo, tens muito mais competência do que muitos que já sentaram nas cadeiras do velho Casarão de General Severiano. O cargo de “Analista de Desempenho” é apenas um dos que eu votaria em você, tranquilamente. 



emilio

Desde 11/2009 • 11 anos de CANAL
Belo Horizonte/MG

Garrincha


Em 19/02/2021 às 10:49
 

fidel_garrincha disse:
Pelos comentarios, acho que o Emilio seria o unico capaz de fazer um trabalho minimamente decente. O resto só afundaria ainda mais o clube.

Eu? me sinto lisonjeado pela lembras, MAS não seria capaz de gerir isso, mesmo porque milagres são coisas divinas. O Botafogo é insustentável desde o final da gestão de Sérgio Landau.
 
A única tentativa plausível seria ter a sorte de ter uma mina de talentos para vender, e para de fazer bobagem na gestão do time.


emilio

Desde 11/2009 • 11 anos de CANAL
Belo Horizonte/MG

Garrincha


Em 19/02/2021 às 10:59
 

A única solução que acho viável seria tercerizar o futebol profissional. Patrimônio não temos nada para alienar: Mourisco é tombado, Marechal Hermes a maior parte é do governo, o imóvel de Dona Terezinha tem cláusula de inalienabilidade, sobraram as salas que certamente tem penhora até de 10º grau

Eu vou considerar ótima esta gestão se fizer um ato, que ninguém fez até  hoje: DESVENDAR A SITUAÇÃO DAS LOCAÇÕES DO SHOPPING. É um vespeiro tão grandes, são tantas histórias, que nem é bom falar sobre.

Sem  no mínimo 300 milhas ninguém vai gerir nada, é só apagar fogo com combustível.  A rolagem de 1 bi é no mínimo, otimisticamente, de 50 milhões por mês, considerando juros de 0,5% coisa que não existe.

 



elramo

Desde o início • 12+ anos de CANAL
Rio de Janeiro/RJ

Garrincha


Em 19/02/2021 às 11:02
 

Eu creio que o Botafogo está sendo dirigido pela única pessoa capaz que se candidatou. Os outros dois candidatos eram terríveis. Pelo menos o Durcésio está mostrando  nesse início de mandato que acredita que tem capacidade para tirar o Botafogo desse buraco que o enfiaram... Torcendo muito por ele... 

soufogao

Desde 01/2008 • 13 anos de CANAL
Brasilia/DF

Garrincha


Em 19/02/2021 às 11:25
 

Ainda deve ter carne para tirar, não é possível. Deixem esse Botafogo morrer. 

Pelas entrevistas não consegui ver nada diferente dos anteriores. 





 

elramo

Desde o início • 12+ anos de CANAL
Rio de Janeiro/RJ

Garrincha


Em 19/02/2021 às 12:16
 

O Botafogo não está morto e nem vai morrer.

Entre 3 e 5 milhões de torcedores espalhados por todo o país é garantia de que sairá dessa crise...



gunarfogo

Desde 10/2017 • 3 anos de CANAL
volta redonda/RJ

Garrincha


Em 19/02/2021 às 12:37
 

A situação é lamentável hoje Botafogo não consegue nem tirar jogador do voltaço

Pietrantonio

Desde 05/2012 • 8 anos de CANAL
Rio de janeiro/RJ

Garrincha


Em 19/02/2021 às 12:52
 

Aí, Nicanor, sei que vc esperava a muito tempo essa bola pra cortar.

Cadu, que levantada foi essa? Magistral.

Na vdd, deixemos de masturbaçoes mentais e vamos apoiar um cara que foi eleito, é honesto e tem tesao em ter sucesso.

Com respeito aos que se acham capaz dessa empreitada, afirmo, sem medo de equivoco, que ninguem sem ter um panorama completo, com radiografia ate dos pentelhos que se sentam sobre cada cadeira daquele vespeiro, seria capaz dessa proeza. 





Nao desejo receber mensagens por email. 

Obrigado 

soufogao

Desde 01/2008 • 13 anos de CANAL
Brasilia/DF

Garrincha


Em 19/02/2021 às 13:04
 

elramo disse:

O Botafogo não está morto e nem vai morrer.

Entre 3 e 5 milhões de torcedores espalhados por todo o país é garantia de que sairá dessa crise...

Elramo, essa forma de gestão, de pensar o Botafogo precisa morrer. Enquanto não vier alguém para fazer essa ruptura será essa agonia. 

Por isso digo: deixem esse Botafogo morrer.
 
Alimentar o discurso desse grupo é fazer com que o foco saia das medidas que importam. Desmembramento do futebol, sócio com direito a voto, etc.
 
Hoje devemos ser o clube mais amador entre os 20 da série A. 





 

Nicanor Passos

Desde 09/2020
Goiânia/GO

Nilton Santos


Em 19/02/2021 às 13:59
 

Pietrantonio disse:

Aí, Nicanor, sei que vc esperava a muito tempo essa bola pra cortar.

Cadu, que levantada foi essa? Magistral.

Na vdd, deixemos de masturbaçoes mentais e vamos apoiar um cara que foi eleito, é honesto e tem tesao em ter sucesso.

Com respeito aos que se acham capaz dessa empreitada, afirmo, sem medo de equivoco, que ninguem sem ter um panorama completo, com radiografia ate dos pentelhos que se sentam sobre cada cadeira daquele vespeiro, seria capaz dessa proeza. 

Pietrantônio,

O que seria deste pobre "Césio 137" se não não existisse você, aqui no Canal Botafogo? kkkkkk

A propósito, na minha proposta de elaboração do "Pequeno Dicionário de Expressões utilizadas no Canal Botafogo", faço menção à tua brillhante (que se encaixa como uma luva) nas minhas postagens e interlocuções com os foristas. Visto a carapuça, no bom sentido. Aguarde a postagem.  rsrsrs



Nicanor Passos

Desde 09/2020
Goiânia/GO

Nilton Santos


Em 19/02/2021 às 14:03
 

emilio disse:
fidel_garrincha disse:
Pelos comentarios, acho que o Emilio seria o unico capaz de fazer um trabalho minimamente decente. O resto só afundaria ainda mais o clube.

Eu? me sinto lisonjeado pela lembras, MAS não seria capaz de gerir isso, mesmo porque milagres são coisas divinas. O Botafogo é insustentável desde o final da gestão de Sérgio Landau.
 
A única tentativa plausível seria ter a sorte de ter uma mina de talentos para vender, e para de fazer bobagem na gestão do time.

Emílio,

"Pare com isso, Edilson, a mãe do Wilson!"  E quem disse que você manda na tua vontade? Aqui, no Canal Botafogo, a maioria já lançou a sua candidatura, na base do "por livre e espontânia coação!" Logo, não vale "fugir da raia". kkkkkkk 



lscunha

Desde 12/2007 • 13 anos de CANAL
Blumenau/SC

Garrincha


Em 19/02/2021 às 17:54
 

eu acho o Emílio um bom candidato e possui três qualidades imperativas: é botafoguense de fato, conhece as entranhas da história do clube e é honesto.

claro que vai precisar de uma equipe para o apoiar e acho que aqui no canal, tem muita gente que pode colaborar com ele, tanto formalmente como informalmente. 

mas a realidade é que temos um presidente eleito na forma como determina nosso estatuto e nesse momento, temos que torcer para que ele se saia bem e nos colocarmos a sua disposição para cooperação.

temos que torcer para o time em campo e para a diretoria no gabinete.

 

lscunha 





LUIZ SERGIO CUNHA

cadu

Desde o início • 12+ anos de CANAL
Rio de Janeiro/RJ

Garrincha


Em 19/02/2021 às 18:11
 

L S Cunha sempre ponderado e equilibrado.

Pietrantonio

Desde 05/2012 • 8 anos de CANAL
Rio de janeiro/RJ

Garrincha


Em 19/02/2021 às 18:42
 

Nicanor, vc esperou por essa bola ser levantada por muito tempo. Finalmente o Cadu meteu a bola pra vc fazer o gol ou cortar.

Mas, temos um Presidente recém eleito e que ta com muita vontade de acertar. 

Vamos apoiar e deixar nossas vaidades e masturbaçoes num segundo plano. 





Nao desejo receber mensagens por email. 

Obrigado 

Nicanor Passos

Desde 09/2020
Goiânia/GO

Nilton Santos


Em 19/02/2021 às 19:05
 

Pietrantonio disse:

Nicanor, vc esperou por essa bola ser levantada por muito tempo. Finalmente o Cadu meteu a bola pra vc fazer o gol ou cortar.

Mas, temos um Presidente recém eleito e que ta com muita vontade de acertar. 

Vamos apoiar e deixar nossas vaidades e masturbaçoes num segundo plano. 

Claro, Pietrantonio. Sem dúvida. Mas, acredite, a iintenção não foi cortar o assunto. Ao contrário, apenas elevar o debate. Tenho me esforçado, diariamente, para fazer-me melhor compreendido no que tange às minhas reais pretensões perante quem está à frente do Botafogo. 


Nicanor Passos

Desde 09/2020
Goiânia/GO

Nilton Santos


Em 19/02/2021 às 19:10
 

soufogao disse:
elramo disse:

O Botafogo não está morto e nem vai morrer.

Entre 3 e 5 milhões de torcedores espalhados por todo o país é garantia de que sairá dessa crise...

Elramo, essa forma de gestão, de pensar o Botafogo precisa morrer. Enquanto não vier alguém para fazer essa ruptura será essa agonia. 

Por isso digo: deixem esse Botafogo morrer.
 
Alimentar o discurso desse grupo é fazer com que o foco saia das medidas que importam. Desmembramento do futebol, sócio com direito a voto, etc.
 
Hoje devemos ser o clube mais amador entre os 20 da série A. 

Soufogão,

Você "captou a mensagem, óh insupitável Mestre!" - como dizia o saudoso humorista na TV. É esse mesmo, o objetivo do post de autoria do Cadu. 



Nicanor Passos

Desde 09/2020
Goiânia/GO

Nilton Santos


Em 19/02/2021 às 19:16
 

lscunha disse:

eu acho o Emílio um bom candidato e possui três qualidades imperativas: é botafoguense de fato, conhece as entranhas da história do clube e é honesto.

claro que vai precisar de uma equipe para o apoiar e acho que aqui no canal, tem muita gente que pode colaborar com ele, tanto formalmente como informalmente. 

mas a realidade é que temos um presidente eleito na forma como determina nosso estatuto e nesse momento, temos que torcer para que ele se saia bem e nos colocarmos a sua disposição para cooperação.

temos que torcer para o time em campo e para a diretoria no gabinete.

 

lscunha 

"claro que vai precisar de uma equipe para o apoiar e acho que aqui no canal, tem muita gente que pode colaborar com ele, tanto formalmente como informalmente."

E quem não precisaria, ou poderia dar-se ao desplante de ter o seu "Posto Ipiranga", ao ocupar um cargo de tamanha responsabilidade no Botafogo?  Lamentavelmente, apenas quem dirigiu o clube, desde a sua fundação, até hoje, fez rosto, desprezou, tal necessidade. Não à toa, o Botafogo está no estado lastimável em que se encontra. Não à toa, aqui e acolá, em qualquer blog existente em redes sociais, a maioria esmagadora dos torcedores se encontram em estado de desalento quanto ao futuro do clube.



Nicanor Passos

Desde 09/2020
Goiânia/GO

Nilton Santos


Em 19/02/2021 às 19:17
 

Nicanor Passos disse:
lscunha disse:

eu acho o Emílio um bom candidato e possui três qualidades imperativas: é botafoguense de fato, conhece as entranhas da história do clube e é honesto.

claro que vai precisar de uma equipe para o apoiar e acho que aqui no canal, tem muita gente que pode colaborar com ele, tanto formalmente como informalmente. 

mas a realidade é que temos um presidente eleito na forma como determina nosso estatuto e nesse momento, temos que torcer para que ele se saia bem e nos colocarmos a sua disposição para cooperação.

temos que torcer para o time em campo e para a diretoria no gabinete.

 

lscunha 

"claro que vai precisar de uma equipe para o apoiar e acho que aqui no canal, tem muita gente que pode colaborar com ele, tanto formalmente como informalmente."

E quem não precisaria, ou poderia dar-se ao desplante de ter o seu "Posto Ipiranga", ao ocupar um cargo de tamanha responsabilidade no Botafogo?  Lamentavelmente, apenas quem dirigiu o clube, desde a sua fundação, até hoje, fez rosto, desprezou, tal necessidade. Não à toa, o Botafogo está no estado lastimável em que se encontra. Não à toa, aqui e acolá, em qualquer blog existente em redes sociais, a maioria esmagadora dos torcedores se encontram em estado de desalento quanto ao futuro do clube.

CORREÇÃO: ou poderia dar-se ao desplante de NÃO ter o seu "Posto Ipiranga"...?


Nicanor Passos

Desde 09/2020
Goiânia/GO

Nilton Santos


Em 19/02/2021 às 19:24
 

emilio disse:

A única solução que acho viável seria tercerizar o futebol profissional. Patrimônio não temos nada para alienar: Mourisco é tombado, Marechal Hermes a maior parte é do governo, o imóvel de Dona Terezinha tem cláusula de inalienabilidade, sobraram as salas que certamente tem penhora até de 10º grau

Eu vou considerar ótima esta gestão se fizer um ato, que ninguém fez até  hoje: DESVENDAR A SITUAÇÃO DAS LOCAÇÕES DO SHOPPING. É um vespeiro tão grandes, são tantas histórias, que nem é bom falar sobre.

Sem  no mínimo 300 milhas ninguém vai gerir nada, é só apagar fogo com combustível.  A rolagem de 1 bi é no mínimo, otimisticamente, de 50 milhões por mês, considerando juros de 0,5% coisa que não existe.

 

Emílio,

Dizendo “não com essas palavras” (aqui citando o personagem do programa humorístico que marcou época na TV brasileira), de forma elegante, você está apenas ratificando o meu bordão – “não tem jeito que dê jeito no Botafogo”? É isso mesmo?



emilio

Desde 11/2009 • 11 anos de CANAL
Belo Horizonte/MG

Garrincha


Em 19/02/2021 às 21:21
 

Boas perguntas do Nicanor, vou dar minha opinião nelas, oportunamente. O tempo tá curto, correria danada, estes dias.

Nicanor Passos

Desde 09/2020
Goiânia/GO

Nilton Santos


Em 19/02/2021 às 21:49
 

emilio disse:
Boas perguntas do Nicanor, vou dar minha opinião nelas, oportunamente. O tempo tá curto, correria danada, estes dias.

Antecipo agradecimento, meu caro e nobre "candidato" escolhido por livre e espontânea coação, pelos torcedores.

Grande abraço. TMJ. 



igoraguirre

Desde 03/2014 • 6 anos de CANAL
Resende/RJ

Infantil


Em 20/02/2021 às 02:13
 

Pra comandar eu não sei. Mas aqui no CB têm muita gente que ajudaria MUITO.

 

Muito legal o debate de vocês, aprendo bastante com cada um. 

 

Na minha opinião, a base tem que ser tratada como prioridade máxima. É dali que virão retornos técnicos e financeiros. 



cadu

Desde o início • 12+ anos de CANAL
Rio de Janeiro/RJ

Garrincha


Em 20/02/2021 às 16:47
 

cadu disse:
Nicanor Passos disse:
cadu disse:
Considerando os comentários e críticas que aqui são postados, percebemoss que o Canal Botafogo é frequentado por pessoas muito gabaritadas, capacitadas e bastante conhecedoras de gestão esportiva. Quem aqui se considera capaz de gerir o clube na situação pré-falimentar que hoje se encontra? Quem aceitaria esse desafio, na condição de gestor profissional remunerado?

Bom dia, Cadu

Em primeiro lugar, na condição de botafoguense e de defensor ferrenho da tese segundo a qual o principal papel de um fórum como este é a realização de dinâmicas de grupo, com temas desafiadores voltados para determinadas situações que possam contribuir, direta ou indiretamente, com o Botafogo, gostaria de parabenizá-lo pela iniciativa da postagem lançada para debates. Trata-se de tópico que gostaria de tê-lo feito. Faltou-me capacidade para fazê-lo, contudo.

Em segundo lugar, topei “brincar” (expressão cunhada pelo Msb) com a tua iniciativa e atrevi-me a bancar uma espécie “Gestor de Recursos Humanos”, formulando alguns questionamentos – que considero imprescindíveis para colocarmos o Botafogo “nos trilhos”. Peço desculpas pelo atrevimento, sem, antes, tê-lo consultado, já que é o autor do excelente e delicioso post.

Finalmente, como “Gestor de Recursos Humanos” (mas, também, porque, cada um a seu modo, no fundo, somos todos críticos do quadro de gerenciamento ou de administração em que se encontra o Botafogo), já que você é o autor do post, gostaria que respondesse os quesitos apresentados, para que pudéssemos analisar se o Cadu está, ou não, preparado para o desempenho do cargo.

Grande abraço.


Prezado Nicanor

Achei muito bom o seu questionário. Responderei mais tarde, com bastante calma, atenção e critério. 

Mas posso adiantar-lhe uma coisa: ainda que, eventualmente, eu possa compartilhar alguma boa ideia, não me sinto nem um pouco preparado para tão árdua missão. 

Ao longo dos muitos anos em que acompanho o Botafogo, só vi um presidente altamente capacitado e com os requisitos à altura do cargo: o saudoso Bebeto de Freitas. Mas nem ele conseguiu desvendar os insondáveis subterrâneos da sauna e dos seus frequentadores, que costumo chamar de "forças ocultas". São aqueles que tratam o Botafogo como um feudo, um mero clube social, se impõem pelo sobrenome dos seus bizavós fundadores do clube, se locupletam com empresários e administram mal o clube, se não por má-fé, por completo amadorismo.

Novamente citando o Bebeto de Freitas: "o problema do Botafogo está dentro do próprio Botafogo".


Tópico interessantíssimo. Agora só falta os indicados e os que se oferecerem responder à minha pergunta: "E se você fosse o Presidente"? Pois é... Quero ver agora, quem se habilita a dizer o que faria como Gestor, para mudar a situação do clube, quanto aos seguintes aspectos: 

A) Sócio-Torcedor - Como primeiro ato, concederia o sacrossanto direito de o torcedor votar nas assembleias gerais do Botafogo, ou deixaria como está, apenas no "embromation", como fez o CEP, para iludir torcedores trouxas?

Resposta: Não tenho uma opinião formada sobre a questão. O universo votante é muito pequeno e não representa os anseios da torcida, quiçá do clube. Mas um "colégio eleitoral" imenso não é garantia de bons resultados (como exemplo, menciono as contratações do Honda e do Kalou, com grande influência e aprovação dos torcedores. 

O que é necessário, antes de tudo, é reequilibrar as forças no Conselho Deliberativo, formado por um Corpo Permanente (Eméritos, Beneméritos e Grandes Beneméritos) e um Corpo Transitório (chapa eleita pelo voto). Há, muitas vezes, um desequilíbrio em favor do Corpo Permanente, em geral muito conservador. Acho que o CD deveria ser formado apenas por sócios eleitos. Mas é um problema estatutário, muito difícil de mudar.

B) Separação do futebol do clube social - Separaria o futebol do clube social? Qual seria a modalidade societária que adotaria com a separação? Criaria uma S/A? Aproveitaria a S/A já existente (Cia Botafogo) para agilizar o processo de separação do clube? Adotaria o sistema Cooperativa? Criaria uma empresa por cotas de responsabilidade Ltda? Manteria o sistema de associação civil, atual, mas separaria o futebol do clube social?

Resposta: Sim, tem que haver a separação total e gestão 100% profissionalizada e dedicação exclusiva. Nada, absolutamente, de os gestores fazerem "favor" de estar no Botafogo.

Não tenho conhecimento suficiente para opinar qual a melhor modalidade societária. Bebeto de Freitas criou a Cia. Botafogo, que não era uma S.A.

 

C) Centro de Treinamentos - O que faria com o Espaço Lonier, adquirido para servir de CT, pelos Moreira Salles? Devolveria o imóvel aos IMS, como pretende o atual presidente? Negociaria com os IMS para que eles assumissem as obras, devolvendo o imóvel, mas concedendo prazo para o Botafogo utilizar o espaço por alguns anos? Convocaria os torcedores a assumir a construção, como fizeram com o CT do Vasco? Passaria apenas um batom no local e já colocaria os atletas para ali treinar, e, paralelamente, com a ajuda dos torcedores, ir aos poucos tocando as obras?

Resposta: os irmãos Moreira Salles doaram o CT em troca de participação de 20% (salvo engano) nos direitos dos atletas. Poderiam renegociar esse percentual em troca do término das obras. Não importa quem é o dono do CT, desde que o Botafogo tenha a garantia de utilizá-lo para formar seus atletas.

D) Categorias de Base - O que faria para o Botafogo voltar a ser um clube formador de talentos, como ocorria nos tempos do Neca? Adotaria o Manual do mestre LS Cunha, para servir de modelo a ser adotado pelos treinadores das categorias de base?

Resposta: não tenho conhecimento para opinar. Mas tem que ter bons olheiros e talvez fazer parcerias com clubes do interior. Muitos até já utilizam o nosso nome, nossas cores e os nossos símbolos. Deve haver muita gente interessada até para ajudar, quanto mais para lucrar.

E) Relação com Empresários da Bola - Manteria o atual sistema de contratos firmados com "Boleiros" nas contratações do time de futebol? Romperia, aos poucos, com o modelo de "vitrine" ou "time de aluguel", que se acha instalado no clube, há décadas, entre o Botafogo e empresários da bola?

Resposta: a formação de atletas no próprio clube enfraqueceria este modelo em médio prazo.

F) Patrimônio Físico - O que faria com o Estádio Nilton Santos? Esperaria vencer o prazo de concessão e não renovaria o contrato, devolvendo o imóvel à Prefeitura do Rio? Quais seriam as medidas que adotaria para tornar o Nilton Santos rentável e acabar com o déficit financeiro que a praça esportiva acarreta mensalmente ao clube? O faria com o imóvel de Marechal Hermes, para angariar recursos ao clube? E Caio Martins? Qual seria a sua destinação? O que faria com o imóvel doado pela Dona Terezinha, para arrecadar recursos financeiros para o Botafogo?

Resposta: Nilton Santos - manteria, se houver a possibilidade de renovação. Com o retorno à Primeira Divisão e um bom planejamento, o estádio é muito viável e traria receitas para o Botafogo. A região onde se situa é extremamente carente de atrativos, tem que criar meios de o imóvel ser utilizado como um grande shopping, com lojas, restaurantes, entretenimento. O entorno do estádio hoje já é utilizado como uma grande área de lazer.

G) Reforma Estatutária - Faria uma reforma ampla, geral e irrestrita no Estatuto do Botafogo? O que alteraria no novo estatuto? Extinguiria o quadro social de Grandes Beneméritos e Beneméritos? Manteria os atuais e "inchados" Conselho Diretor, Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal, ou diminuiria a quantidade de membros nesses órgãos, para acabar com o sistema de baronato que comanda o clube?

Resposta: parcialmente respondido no item A.

H) Escolinhas de Futebol - Criaria Escolinhas de Futebol para o clube? Se afirmativa a resposta, qual seria o modelo de financiamento e de manutenção? Franquias? Manutenção pelo clube? 

Resposta: sim, no Brasil todo. Franquias, provavelmente (tem que estudar a melhor opção).

I) Marketing - Manteria o atual modelo de funcionamento no clube, ou reformularia o departamento, mediante a contratação de profissionais qualificados, de forma remunerada? Convidaria formadores de opinião para assumir o departamento, como por exemplo, o Felipe Neto?

Resposta: Felipe Neto é expert em Marketing Digital, botafoguense e parece disposto a ajudar. Seria uma grande chance de alavancagem com o público jovem, escasso no Botafogo atualmente.

J) Missão, Visão, Objetivos e Valores - Descrever

Resposta:  alguém já falou aqui: o hino. 

L) Relacionamento com a Torcida - O que faria para alterar a relação de distanciamento que o clube sempre manteve com os torcedores, desde a sua fundação? Que tratamento daria aos membros de Torcidas Organizadas? O que mudaria na Ouvidoria do clube, que existe, mas não funciona?

Resposta: na gestão do Bebeto de Freitas houve um grande progersso no relacionamento com os torcedores, através da criação do Botafogo no Coração, primeiro plano de sócio-torcedor. Não tenho conhecimento do assunto, teria que ser tratado pelos profissionais da área de marketing.

Quanto às organizadas, tem que separar o joio do trigo. A Loucos pelo Botafogo, torcida ordeira e que faz uma festa bonita, e outras "torcidas do bem" poderiam receber apoio para confeccionar bandeiras e faixas, mediante bom comportamento no estádio. As violentas têm que ser banidas.

Acho que todos devem pagar ingresso. Talvez reservar para as organizadas um setor com ingressos populares.

M) Fontes de Custeio - Qual seria o planejamento estratégico para maximizar as principais fontes de custeio do clube? E quanto as fontes alternativas de custeio? Quais outras fontes, além das tradicionais, buscaria para monetizar as finanças do clube?

Resposta: precisa fazer um Plano de Negócios. Pergunta complexa, é a parte mais difícil, vou deixar sem resposta.

N) "Olheiros" - O que mudaria no sistema de captação de talentos, espalhados pelo Brasil, para trazê-los ao Botafogo?

Resposta: não sei como funciona hoje.

O) Dívidas - O que faria no curto, médio e longo prazos para sanar as dívidas do clube?

Resposta: idem ao item M. O mais difícil de tudo é a gestão financeira, mais do que o futebol. Contrataria um especialista dos bons.

Por enquanto, é só. Se alguém lembrar de mais alguma coisa, sinta-se à vontade para opinar e questionar.

Por derradeiro (e antes que me esqueça): ESTOU FORA! Recolho-me à minha insignificância, pois não me julgo capacitado para colocar o Botafogo nos trilhos. Continuarei, aqui, a desempenhar o meu reles papel de "pedra". Por experiência própria, não desejo ao meu pior inimigo a difícil tarefa de ser "vidraça". 

 



emilio

Desde 11/2009 • 11 anos de CANAL
Belo Horizonte/MG

Garrincha


Em 20/02/2021 às 22:12
 


A) Sócio-Torcedor - Como primeiro ato, concederia o sacrossanto direito de o torcedor votar nas assembleias gerais do Botafogo, ou deixaria como está, apenas no "embromation", como fez o CEP, para iludir torcedores trouxas?

Instituiria, com carência para ter direito a voto, e com carência em dobro para ter direito a ser votado.


B) Separação do futebol do clube social - Separaria o futebol do clube social? Qual seria a modalidade societária que adotaria com a separação? Criaria uma S/A? Aproveitaria a S/A já existente (Cia Botafogo) para agilizar o processo de separação do clube? Adotaria o sistema Cooperativa? Criaria uma empresa por cotas de responsabilidade Ltda? Manteria o sistema de associação civil, atual, mas separaria o futebol do clube social?

Isso é ponto pacífico não tem como futebol bancar outros esportes, e muito menos a parte social. Não sei a viabilidade jurídica, mas procuraria saber como foi a parceria do Bragantinotercerizando o futebol para a Red Bul

C) Centro de Treinamentos - O que faria com o Espaço Lonier, adquirido para servir de CT, pelos Moreira Salles? Devolveria o imóvel aos IMS, como pretende o atual presidente? Negociaria com os IMS para que eles assumissem as obras, devolvendo o imóvel, mas concedendo prazo para o Botafogo utilizar o espaço por alguns anos? Convocaria os torcedores a assumir a construção, como fizeram com o CT do Vasco? Passaria apenas um batom no local e já colocaria os atletas para ali treinar, e, paralelamente, com a ajuda dos torcedores, ir aos poucos tocando as obras?

Já colocaria as divisões de base adaptando o que está pronto hoje. O Atlético demorou entre aquisição em 1980, até 1999 para começar a utilizar 19 anos, e ainda não terminou tudo, e é referência como melhor do Brasil. Com economia de possível reforma do Caio Martins, ou aluguel de algum espaço, investiria na melhoria gradativa do que está pronto.

 

D) Categorias de Base - O que faria para o Botafogo voltar a ser um clube formador de talentos, como ocorria nos tempos do Neca? Adotaria o Manual do mestre LS Cunha, para servir de modelo a ser adotado pelos treinadores das categorias de base?

Principal passo a captação de valores pelo Brasil inteiro, não necessariamente com menos de 12 anos, cuja transferência para o RJ é inviável, pois o MP em TAC inviabilizou o alojamento de crianças, e isso antes do incêndio no ninho do capeta. Há anos venho escrevendo aqui que o Botafogo tinha "consulados" pelo Brasil inteiro, cujos consules eram pessoas com algum conhecimento de bola, e no início do ano mandava os garotos para o RJ, não para peneira, mas para testes de alguns dias. Os candidatos ficavam alojados numa casa na Rua República Argentina. Hoje o framengo faz algo parecido, só que faz peneiras itiniranes, com competiação por 4 ou 5 dias da semana, em várias cidades do país. Eu sugeriria algo diferente, dando como exemplo, Minas Gerais, que tem mais de 800 municípios, logisticamente me orientaria pelas regiões de saúde do estado, e em cada uma delas procuraria um time de futebol amador, e faria convênio. Existem milhares de campos de futebol prontos, e totalmente inativos.

E) Relação com Empresários da Bola - Manteria o atual sistema de contratos firmados com "Boleiros" nas contratações do time de futebol? Romperia, aos poucos, com o modelo de "vitrine" ou "time de aluguel", que se acha instalado no clube, há décadas, entre o Botafogo e empresários da bola?

Infelizmente na situação em que estamos não há outra alternativa, é como jogar poker com R$ 2,00 no bolso

F) Patrimônio Físico - O que faria com o Estádio Nilton Santos? Esperaria vencer o prazo de concessão e não renovaria o contrato, devolvendo o imóvel à Prefeitura do Rio? Quais seriam as medidas que adotaria para tornar o Nilton Santos rentável e acabar com o déficit financeiro que a praça esportiva acarreta mensalmente ao clube? O faria com o imóvel de Marechal Hermes, para angariar recursos ao clube? E Caio Martins? Qual seria a sua destinação? O que faria com o imóvel doado pela Dona Terezinha, para arrecadar recursos financeiros para o Botafogo?

Nada é alienável, os únicos imóveis passivos de venda seriam as salas, mas certamente tem penhoras em vários níveis. Estádio se tivesse jeito devolveria antes, mas como não tem, e o contrato não é renovável, resolve a situação por si mesmo. Mourisco tá alugado, tem que auditar o contrato; Imóvel D Teresinha talvez uma cessão honerada para utilização comercial; Shopping debaixo do campo, aí está o problema ninguém mexeu naquele vespeiro ainda, comenta-se que tem anos de alugueis recebidos adiantadamente, além de servir para boca livre de jantares.

G) Reforma Estatutária - Faria uma reforma ampla, geral e irrestrita no Estatuto do Botafogo? O que alteraria no novo estatuto? Extinguiria o quadro social de Grandes Beneméritos e Beneméritos? Manteria os atuais e "inchados" Conselho Diretor, Conselho Deliberativo e Conselho Fiscal, ou diminuiria a quantidade de membros nesses órgãos, para acabar com o sistema de baronato que comanda o clube?

Diminuiria imeatamente o número de conselheiros, com 200 é impossível prosperar qualquer discussão séria.

H) Escolinhas de Futebol - Criaria Escolinhas de Futebol para o clube? Se afirmativa a resposta, qual seria o modelo de financiamento e de manutenção? Franquias? Manutenção pelo clube? 

Só no RJ e com fins comerciais, fora do RJ adotaria o critério respondido no tópico das divisões de base.


I) Marketing - Manteria o atual modelo de funcionamento no clube, ou reformularia o departamento, mediante a contratação de profissionais qualificados, de forma remunerada? Convidaria formadores de opinião para assumir o departamento, como por exemplo, o Felipe Neto?

Melhor marketing é um time jogando bonito e vencendo.

J) Missão, Visão, Objetivos e Valores - Descrever

Sobreviver

L) Relacionamento com a Torcida - O que faria para alterar a relação de distanciamento que o clube sempre manteve com os torcedores, desde a sua fundação? Que tratamento daria aos membros de Torcidas Organizadas? O que mudaria na Ouvidoria do clube, que existe, mas não funciona?

Procurar dar segurança e conforto no acesso aos jogos; Facilitar o intercâmbio de ideias; Propiciar acesso a produtos do clube em preços compatíveis com a renda do povo brasileiro.

M) Fontes de Custeio - Qual seria o planejamento estratégico para maximizar as principais fontes de custeio do clube? E quanto as fontes alternativas de custeio? Quais outras fontes, além das tradicionais, buscaria para monetizar as finanças do clube?

HOje é revelar e vender jogador; comprar e revender; até termos um time competitivo nem jeito de arrumar patrocínio existe.

N) "Olheiros" - O que mudaria no sistema de captação de talentos, espalhados pelo Brasil, para trazê-los ao Botafogo?

 Já respondida na questão sobre divisão de base

O) Dívidas - O que faria no curto, médio e longo prazos para sanar as dívidas do clube?

Rezar para São Judas Tadeu, o santo das causas impossíveis, para que este ano apareça um Neymar, ano que vem um Messi, e no outro ano um Cristiano Ronaldo. Não temos condições de gerar receita nem para pagamento do serviço da dívida. Ou arranjar algum mecenas com dinheiro sobrando, e querendo jogar fora.

Por enquanto, é só. Se alguém lembrar de mais alguma coisa, sinta-se à vontade para opinar e questionar.

Por derradeiro (e antes que me esqueça): ESTOU FORA! Recolho-me à minha insignificância, pois não me julgo capacitado para colocar o Botafogo nos trilhos. Continuarei, aqui, a desempenhar o meu reles papel de "pedra". Por experiência própria, não desejo ao meu pior inimigo a difícil tarefa de ser "vidraça".



Tadeu20

Desde 01/2011 • 10 anos de CANAL
Rio de Janeiro/RJ

Garrincha


Em 20/02/2021 às 23:54
 

Já existe um equívoco na premissa do tópico. Ninguém dirige o clube sozinho. E, por incrível que pareça, o presidente é o que menos precisa ter conhecimento técnico de tudo. Ele é só a palavra final.

Quem se habilitar hoje a dirigir o clube, precisa ter uma equipe técnica nas diversas áreas. O mandatário mor pode ser extremamente qualificado, mas se não montar uma equipe com um mínimo de preparo, será o fim.

Além do mais, existe uma chapa e acordos políticos. Não basta só se habilitar, é preciso ter a benção de muita gente grande pra vc cogitar a se candidatar. 





“Os que não querem ser vencidos pela verdade, serão vencidos pelo erro.” - Santo Agostinho

Nicanor Passos

Desde 09/2020
Goiânia/GO

Nilton Santos


Em 21/02/2021 às 00:47
 

Pela ordem, Msb, Cadu e Emílio

Li, reli, tornei a ler, voltei a ler o que já tinha lido, comparei todas as respostas lançadas pelos colegas.

E mais: Tracei paralelos com as respostas que esperava obter dos foristas, quando resolvi “entrar na brincadeira” (by Msb), para bancar uma espécie de “Gestor de RH” (algo que nunca fui e nem pretendo ser).

Quando resolvi formular os questionamentos aos foristas já estava convencido de que provaria para todos os céticos e aos tímidos, que aqui, no Canal Botafogo, existem, sim, pessoas capacitadas, competentes para senão gerir pelo menos implementar ações vanguardistas visando dar novos rumos ao nosso querido Botafogo. Agora, depois das respostas que obtive, mais se elevou a minha convicção sobre a necessidade de o clube, de uma vez por todas, abrir-se para os torcedores.

Sou de opinião que a “levantada de bola” realizada pelo Cadu (aqui utilizo a expressão do colega Pietrantônio, que foi o primeiro a ter sensibilidade para entender os propósitos do autor, nas entrelinhas do tema), foi, justamente, a de “dar uma sacudida” nós foristas, deixássemos de lado duas coisas que vêm me incomodando, nos últimos tempos: timidez e excesso de humildade.

Dito de outro modo, quando elaborei as perguntas em questão, passou-me pela cabeça a seguinte pergunta: De que adianta você saber alguma coisa, se ninguém sabe que você sabe?

As respostas para essa pergunta apenas confirma o que esperava obter dos (digamos assim) “candidatos”, ou “entrevistados”.

Como ainda pertenço à geração em que, aqui, no CB, existiam debates elevados, com discussões temáticas muito diferentes das que estão ocorrendo ultimamente; como ainda estou convencido de que neste fórum existem cabeças pensantes, foristas capazes de contribuir para que o Botafogo se transforme, de fato, num futuro próximo num GRANDE clube.

Espero que a leitura atenta às respostas apresentadas pelos colegas Msb, Cadu e Emílio, sirvam de estímulo para que os demais não tenham vergonha de exporem o que pensam sobre o futuro do Glorioso e de que forma poderão colaborar com a instituição.

Afinal, nós somos (sim!) muito mais competentes do que muitos dos que, há décadas, estão DESadministrando o Botafogo. Aqui, existem foristas engenheiros, professores, empresários (grande, médios e pequenos), comerciantes, fazendeiros, profissionais liberais (advogados, contabilistas, médicos etc.), assessores e consultores de empresas, servidores públicos concursados, estudantes, gente das mais variadas profissões – portanto capacitadas para, ao menos, colaborar com a Diretoria do clube.

Noutras palavras (parafraseando, ao contrário, o bordão da humorista televisiva, a “Amante do Senador”):

 - “Glamour nós nos temo-nos; só me nos falta-me o dinheiro!”

Concluo pedindo aos colegas para que me permitam comparar, uma a uma, as respostas apresentadas pelos três candidatos, publicando-as aqui neste post.



emilio

Desde 11/2009 • 11 anos de CANAL
Belo Horizonte/MG

Garrincha


Em 21/02/2021 às 05:34
 

Nicanor Passos disse:

Pela ordem, Msb, Cadu e Emílio

Li, reli, tornei a ler, voltei a ler o que já tinha lido, comparei todas as respostas lançadas pelos colegas.

E mais: Tracei paralelos com as respostas que esperava obter dos foristas, quando resolvi “entrar na brincadeira” (by Msb), para bancar uma espécie de “Gestor de RH” (algo que nunca fui e nem pretendo ser).

Quando resolvi formular os questionamentos aos foristas já estava convencido de que provaria para todos os céticos e aos tímidos, que aqui, no Canal Botafogo, existem, sim, pessoas capacitadas, competentes para senão gerir pelo menos implementar ações vanguardistas visando dar novos rumos ao nosso querido Botafogo. Agora, depois das respostas que obtive, mais se elevou a minha convicção sobre a necessidade de o clube, de uma vez por todas, abrir-se para os torcedores.

Sou de opinião que a “levantada de bola” realizada pelo Cadu (aqui utilizo a expressão do colega Pietrantônio, que foi o primeiro a ter sensibilidade para entender os propósitos do autor, nas entrelinhas do tema), foi, justamente, a de “dar uma sacudida” nós foristas, deixássemos de lado duas coisas que vêm me incomodando, nos últimos tempos: timidez e excesso de humildade.

Dito de outro modo, quando elaborei as perguntas em questão, passou-me pela cabeça a seguinte pergunta: De que adianta você saber alguma coisa, se ninguém sabe que você sabe?

As respostas para essa pergunta apenas confirma o que esperava obter dos (digamos assim) “candidatos”, ou “entrevistados”.

Como ainda pertenço à geração em que, aqui, no CB, existiam debates elevados, com discussões temáticas muito diferentes das que estão ocorrendo ultimamente; como ainda estou convencido de que neste fórum existem cabeças pensantes, foristas capazes de contribuir para que o Botafogo se transforme, de fato, num futuro próximo num GRANDE clube.

Espero que a leitura atenta às respostas apresentadas pelos colegas Msb, Cadu e Emílio, sirvam de estímulo para que os demais não tenham vergonha de exporem o que pensam sobre o futuro do Glorioso e de que forma poderão colaborar com a instituição.

Afinal, nós somos (sim!) muito mais competentes do que muitos dos que, há décadas, estão DESadministrando o Botafogo. Aqui, existem foristas engenheiros, professores, empresários (grande, médios e pequenos), comerciantes, fazendeiros, profissionais liberais (advogados, contabilistas, médicos etc.), assessores e consultores de empresas, servidores públicos concursados, estudantes, gente das mais variadas profissões – portanto capacitadas para, ao menos, colaborar com a Diretoria do clube.

Noutras palavras (parafraseando, ao contrário, o bordão da humorista televisiva, a “Amante do Senador”):

 - “Glamour nós nos temo-nos; só me nos falta-me o dinheiro!”

Concluo pedindo aos colegas para que me permitam comparar, uma a uma, as respostas apresentadas pelos três candidatos, publicando-as aqui neste post.



"Afinal, nós somos (sim!) muito mais competentes do que muitos dos que, há décadas, estão DESadministrando o Botafogo. Aqui, existem foristas engenheiros, professores, empresários (grande, médios e pequenos), comerciantes, fazendeiros, profissionais liberais (advogados, contabilistas, médicos etc.), assessores e consultores de empresas, servidores públicos concursados, estudantes, gente das mais variadas profissões – portanto capacitadas para, ao menos, colaborar com a Diretoria do clube."

Aqui tem também religiosos, militares e membros do judiciário federal e estadual. Quem anda ausente, mas deve continuar a ler, é membro da auditoria fiscal do estado de MG.



Nicanor Passos

Desde 09/2020
Goiânia/GO

Nilton Santos


Em 21/02/2021 às 07:02
 

emilio disse:
Nicanor Passos disse:

Pela ordem, Msb, Cadu e Emílio

Li, reli, tornei a ler, voltei a ler o que já tinha lido, comparei todas as respostas lançadas pelos colegas.

E mais: Tracei paralelos com as respostas que esperava obter dos foristas, quando resolvi “entrar na brincadeira” (by Msb), para bancar uma espécie de “Gestor de RH” (algo que nunca fui e nem pretendo ser).

Quando resolvi formular os questionamentos aos foristas já estava convencido de que provaria para todos os céticos e aos tímidos, que aqui, no Canal Botafogo, existem, sim, pessoas capacitadas, competentes para senão gerir pelo menos implementar ações vanguardistas visando dar novos rumos ao nosso querido Botafogo. Agora, depois das respostas que obtive, mais se elevou a minha convicção sobre a necessidade de o clube, de uma vez por todas, abrir-se para os torcedores.

Sou de opinião que a “levantada de bola” realizada pelo Cadu (aqui utilizo a expressão do colega Pietrantônio, que foi o primeiro a ter sensibilidade para entender os propósitos do autor, nas entrelinhas do tema), foi, justamente, a de “dar uma sacudida” nós foristas, deixássemos de lado duas coisas que vêm me incomodando, nos últimos tempos: timidez e excesso de humildade.

Dito de outro modo, quando elaborei as perguntas em questão, passou-me pela cabeça a seguinte pergunta: De que adianta você saber alguma coisa, se ninguém sabe que você sabe?

As respostas para essa pergunta apenas confirma o que esperava obter dos (digamos assim) “candidatos”, ou “entrevistados”.

Como ainda pertenço à geração em que, aqui, no CB, existiam debates elevados, com discussões temáticas muito diferentes das que estão ocorrendo ultimamente; como ainda estou convencido de que neste fórum existem cabeças pensantes, foristas capazes de contribuir para que o Botafogo se transforme, de fato, num futuro próximo num GRANDE clube.

Espero que a leitura atenta às respostas apresentadas pelos colegas Msb, Cadu e Emílio, sirvam de estímulo para que os demais não tenham vergonha de exporem o que pensam sobre o futuro do Glorioso e de que forma poderão colaborar com a instituição.

Afinal, nós somos (sim!) muito mais competentes do que muitos dos que, há décadas, estão DESadministrando o Botafogo. Aqui, existem foristas engenheiros, professores, empresários (grande, médios e pequenos), comerciantes, fazendeiros, profissionais liberais (advogados, contabilistas, médicos etc.), assessores e consultores de empresas, servidores públicos concursados, estudantes, gente das mais variadas profissões – portanto capacitadas para, ao menos, colaborar com a Diretoria do clube.

Noutras palavras (parafraseando, ao contrário, o bordão da humorista televisiva, a “Amante do Senador”):

 - “Glamour nós nos temo-nos; só me nos falta-me o dinheiro!”

Concluo pedindo aos colegas para que me permitam comparar, uma a uma, as respostas apresentadas pelos três candidatos, publicando-as aqui neste post.



"Afinal, nós somos (sim!) muito mais competentes do que muitos dos que, há décadas, estão DESadministrando o Botafogo. Aqui, existem foristas engenheiros, professores, empresários (grande, médios e pequenos), comerciantes, fazendeiros, profissionais liberais (advogados, contabilistas, médicos etc.), assessores e consultores de empresas, servidores públicos concursados, estudantes, gente das mais variadas profissões – portanto capacitadas para, ao menos, colaborar com a Diretoria do clube."

Aqui tem também religiosos, militares e membros do judiciário federal e estadual. Quem anda ausente, mas deve continuar a ler, é membro da auditoria fiscal do estado de MG.

Digi+ cresce no futebol brasileiro e fecha com Sport

Além do clube pernambucano, banco digital é também patrocinador de Athletico, Cruzeiro e Fortaleza

18 OUT, 2019

Sport anunciou na noite desta quinta-feira (17) que fechou patrocínio para o restante da Série B. O Leão estampará no espaço mais valioso de sua camisa o banco digital Digi+. A estreia do aporte será na partida de domingo (20), contra o Brasil de Pelotas, no Rio Grande do Sul.



Vale lembrar que o Sport não tinha uma marca estampada no local da desde maio, quando a Caixa deixou de patrocinar o clube. Com o Sport, o Digi+ aumenta sua participação no futebol brasileiro, já que é também patrocinador de AthleticoCruzeiro e Fortaleza. Diferentemente dos demais, o logotipo da parceria com o Sport foi divulgado como Digimais.

Com o acordo, cresce o número de clubes com bancos digitais na camisa. Além do quarteto do Digi+, Corinthians, Atlético-MG e Vasco estão com o BMG. O São Paulo tem o Banco Inter. Já o Flamengo conta com o BS2.

São Paulo

07/03/2019 06h00  Atualizado há um ano


Cruzeiro apresenta patrocínio máster do Banco Renner — Foto: Alisson Guimarães / Cruzeiro

Cruzeiro apresenta patrocínio máster do Banco Renner — Foto: Alisson Guimarães / Cruzeiro

CorinthiansAtlético-MG e Cruzeiro foram os primeiros a anunciar patrocínios com bancos, dos quais grande parte da receita a ser obtida será variável. Vasco e Santos ainda negociam e podem reforçar a quantidade de times da primeira divisão a aderir ao modelo. Há duas tendências aí. A primeira é a entrada de bancos de natureza digital em substituição à Caixa nas camisas. A segunda é o caráter "meritocrático" da remuneração. Dá para contar com uma grana considerável? Ou, concretamente, dá para esperar que ganhem tanto quanto o Palmeiras com a Crefisa – como sugeriu o diretor cruzeirense Sérgio Nonato?

Esses patrocínios não seguem a lógica tradicional do mercado, em que empresas pagam clubes para expor marcas em uniformes a troco de visibilidade. A remuneração está vinculada aos lucros obtidos com determinados produtos financeiros, o que faz das agremiações sócias das companhias, na prática, em vez de meras patrocinadas.

As perspectivas mudam de clube para clube, porque os bancos personalizados seguem fórmulas diferentes para ganhar dinheiro. Enquanto o Digimais Cruzeiro, do Banco Renner, cobra tarifas a partir de R$ 9,90 por mês, o Meu Corinthians BMG não cobra nada dos clientes pela abertura da conta corrente. Isso fará toda diferença na hora de determinar o potencial de arrecadação de cada negócio.

Ao Cruzeiro, basta que os torcedores abram as contas e paguem as mensalidades para que o patrocínio comece a render. Dirigentes celestes disseram na apresentação do parceiro, em entrevista coletiva, que têm como meta a abertura de 1 milhão de contas. Vamos começar por aí.

Hipoteticamente, se todas elas aderirem ao pacote básico de R$ 9,90, haverá uma receita bruta de R$ 119 milhões na temporada. Deste valor, serão descontados custos e impostos. O que sobrar é dividido por dois. Metade para o Cruzeiro, metade para o Renner. Na expectativa de que valores cresçam conforme cruzeirenses usarem produtos financeiros.

Marcio Alaor, do BMG, e Luis Paulo Rosenberg, do Corinthians — Foto: Allan Louros / Divulgação

Marcio Alaor, do BMG, e Luis Paulo Rosenberg, do Corinthians — Foto: Allan Louros / Divulgação

O negócio do Corinthians é mais complexo porque, uma vez que não há cobrança de tarifas, a diretoria alvinegra pode conseguir a mesma quantidade de contas abertas, 1 milhão, e isso não gerará receita nenhuma. Clientes precisarão pegar dinheiro emprestado e pagar juros por ele, e só então algum trocado entrará no caixa do clube.

O produto queridinho do BMG é o cartão de crédito consignado, cujas parcelas são abatidas diretamente com o salário do sujeito, sem que ele tenha a opção de não pagar, assim como acontece com um empréstimo consignado. Da receita obtida com essas operações de crédito também serão descontados custos e impostos. O lucro é que se divide.

Custos não são desprezíveis. Apesar do senso comum de que todo banco tem cofres gigantescos e abarrotados de grana nos fundos, a real é que instituições financeiras não têm o dinheiro que emprestam. Elas entregam R$ 1 ao cliente com taxa de CDI + 10%, digamos, ao mesmo tempo em que pegam R$ 1 emprestado com outro banco e taxa de CDI + 2%. É na diferença entre as duas taxas que ela ganha dinheiro. Isso se chama spread bancário. E o que quer dizer? Que além da dificuldade de fazer o torcedor abrir a conta e pegar dinheiro emprestado, ainda há uma operação custosa por trás para fazer a máquina funcionar.

 

Clubes terão de convencer torcedores a pagar taxas e juros de produtos financeiros, senão ficarão sem a receita sonhada com o patrocínio

 

Engajamento e portabilidade: mais dificuldades
Dirigentes têm o costume de se basear em supostos tamanhos de torcidas na hora de calcular possíveis ganhos. Wagner Pires de Sá, presidente do Cruzeiro, falou em 10 milhões de cruzeirenses na entrevista coletiva de apresentação do patrocínio. Número que faz a projeção de 1 milhão de contas abertas no Digimais parecer factível.

O histórico do futebol recomenda parcimônia, no entanto. Tamanhos de torcidas são estimados por meio de pesquisas por amostragem, nas quais a pessoa se identifica torcedora desse ou daquele time. Não quer dizer que ela consuma produtos ligados a ele. Nem sequer que o acompanhe. Programas de sócios torcedores, produtos licenciados, todos sempre mostram números realizados abaixo dos sonhados.

Ainda há a dificuldade de fazer com que alguém mude de instituição financeira. Por comodidade ou confiança adquirida ao longo do tempo, além dos benefícios e taxas, não é comum gente trocar de banco como muda de sapato. Faz sentido para banqueiros a aproximação ao futebol, como tentativa de apelar ao lado emocional para fãs que migrem contas. Não fará diferença para o torcedor que não dá tanta bola assim.

Nenhum desses desafios invalida a tentativa. Contratos de patrocínio com remuneração variável, na pior das hipóteses, farão com que dirigentes trabalhem em prol das empresas que os patrocinam. Isso tende a ser produtivo, à medida que outros setores, hoje distantes do futebol, podem se interessar por ele a partir de um caso bem sucedido. A sugestão é por cautela. Se tudo der certo, o banco digital do seu clube de futebol vai levar tempo para maturar e se tornar realmente rentável.

PS.: Este jornalista tomou aulas sobre bancos com Cesar Grafietti, ex-superintendente de crédito do Itaú BBA, hoje consultor da CBF.



Nicanor Passos

Desde 09/2020
Goiânia/GO

Nilton Santos


Em 21/02/2021 às 07:22
 

Nicanor Passos disse:
emilio disse:
Nicanor Passos disse:

Pela ordem, Msb, Cadu e Emílio

Li, reli, tornei a ler, voltei a ler o que já tinha lido, comparei todas as respostas lançadas pelos colegas.

E mais: Tracei paralelos com as respostas que esperava obter dos foristas, quando resolvi “entrar na brincadeira” (by Msb), para bancar uma espécie de “Gestor de RH” (algo que nunca fui e nem pretendo ser).

Quando resolvi formular os questionamentos aos foristas já estava convencido de que provaria para todos os céticos e aos tímidos, que aqui, no Canal Botafogo, existem, sim, pessoas capacitadas, competentes para senão gerir pelo menos implementar ações vanguardistas visando dar novos rumos ao nosso querido Botafogo. Agora, depois das respostas que obtive, mais se elevou a minha convicção sobre a necessidade de o clube, de uma vez por todas, abrir-se para os torcedores.

Sou de opinião que a “levantada de bola” realizada pelo Cadu (aqui utilizo a expressão do colega Pietrantônio, que foi o primeiro a ter sensibilidade para entender os propósitos do autor, nas entrelinhas do tema), foi, justamente, a de “dar uma sacudida” nós foristas, deixássemos de lado duas coisas que vêm me incomodando, nos últimos tempos: timidez e excesso de humildade.

Dito de outro modo, quando elaborei as perguntas em questão, passou-me pela cabeça a seguinte pergunta: De que adianta você saber alguma coisa, se ninguém sabe que você sabe?

As respostas para essa pergunta apenas confirma o que esperava obter dos (digamos assim) “candidatos”, ou “entrevistados”.

Como ainda pertenço à geração em que, aqui, no CB, existiam debates elevados, com discussões temáticas muito diferentes das que estão ocorrendo ultimamente; como ainda estou convencido de que neste fórum existem cabeças pensantes, foristas capazes de contribuir para que o Botafogo se transforme, de fato, num futuro próximo num GRANDE clube.

Espero que a leitura atenta às respostas apresentadas pelos colegas Msb, Cadu e Emílio, sirvam de estímulo para que os demais não tenham vergonha de exporem o que pensam sobre o futuro do Glorioso e de que forma poderão colaborar com a instituição.

Afinal, nós somos (sim!) muito mais competentes do que muitos dos que, há décadas, estão DESadministrando o Botafogo. Aqui, existem foristas engenheiros, professores, empresários (grande, médios e pequenos), comerciantes, fazendeiros, profissionais liberais (advogados, contabilistas, médicos etc.), assessores e consultores de empresas, servidores públicos concursados, estudantes, gente das mais variadas profissões – portanto capacitadas para, ao menos, colaborar com a Diretoria do clube.

Noutras palavras (parafraseando, ao contrário, o bordão da humorista televisiva, a “Amante do Senador”):

 - “Glamour nós nos temo-nos; só me nos falta-me o dinheiro!”

Concluo pedindo aos colegas para que me permitam comparar, uma a uma, as respostas apresentadas pelos três candidatos, publicando-as aqui neste post.



"Afinal, nós somos (sim!) muito mais competentes do que muitos dos que, há décadas, estão DESadministrando o Botafogo. Aqui, existem foristas engenheiros, professores, empresários (grande, médios e pequenos), comerciantes, fazendeiros, profissionais liberais (advogados, contabilistas, médicos etc.), assessores e consultores de empresas, servidores públicos concursados, estudantes, gente das mais variadas profissões – portanto capacitadas para, ao menos, colaborar com a Diretoria do clube."

Aqui tem também religiosos, militares e membros do judiciário federal e estadual. Quem anda ausente, mas deve continuar a ler, é membro da auditoria fiscal do estado de MG.

Digi+ cresce no futebol brasileiro e fecha com Sport

Além do clube pernambucano, banco digital é também patrocinador de Athletico, Cruzeiro e Fortaleza

18 OUT, 2019

Sport anunciou na noite desta quinta-feira (17) que fechou patrocínio para o restante da Série B. O Leão estampará no espaço mais valioso de sua camisa o banco digital Digi+. A estreia do aporte será na partida de domingo (20), contra o Brasil de Pelotas, no Rio Grande do Sul.



Vale lembrar que o Sport não tinha uma marca estampada no local da desde maio, quando a Caixa deixou de patrocinar o clube. Com o Sport, o Digi+ aumenta sua participação no futebol brasileiro, já que é também patrocinador de AthleticoCruzeiro e Fortaleza. Diferentemente dos demais, o logotipo da parceria com o Sport foi divulgado como Digimais.

Com o acordo, cresce o número de clubes com bancos digitais na camisa. Além do quarteto do Digi+, Corinthians, Atlético-MG e Vasco estão com o BMG. O São Paulo tem o Banco Inter. Já o Flamengo conta com o BS2.

São Paulo

07/03/2019 06h00  Atualizado há um ano


Cruzeiro apresenta patrocínio máster do Banco Renner — Foto: Alisson Guimarães / Cruzeiro

Cruzeiro apresenta patrocínio máster do Banco Renner — Foto: Alisson Guimarães / Cruzeiro

CorinthiansAtlético-MG e Cruzeiro foram os primeiros a anunciar patrocínios com bancos, dos quais grande parte da receita a ser obtida será variável. Vasco e Santos ainda negociam e podem reforçar a quantidade de times da primeira divisão a aderir ao modelo. Há duas tendências aí. A primeira é a entrada de bancos de natureza digital em substituição à Caixa nas camisas. A segunda é o caráter "meritocrático" da remuneração. Dá para contar com uma grana considerável? Ou, concretamente, dá para esperar que ganhem tanto quanto o Palmeiras com a Crefisa – como sugeriu o diretor cruzeirense Sérgio Nonato?

Esses patrocínios não seguem a lógica tradicional do mercado, em que empresas pagam clubes para expor marcas em uniformes a troco de visibilidade. A remuneração está vinculada aos lucros obtidos com determinados produtos financeiros, o que faz das agremiações sócias das companhias, na prática, em vez de meras patrocinadas.

As perspectivas mudam de clube para clube, porque os bancos personalizados seguem fórmulas diferentes para ganhar dinheiro. Enquanto o Digimais Cruzeiro, do Banco Renner, cobra tarifas a partir de R$ 9,90 por mês, o Meu Corinthians BMG não cobra nada dos clientes pela abertura da conta corrente. Isso fará toda diferença na hora de determinar o potencial de arrecadação de cada negócio.

Ao Cruzeiro, basta que os torcedores abram as contas e paguem as mensalidades para que o patrocínio comece a render. Dirigentes celestes disseram na apresentação do parceiro, em entrevista coletiva, que têm como meta a abertura de 1 milhão de contas. Vamos começar por aí.

Hipoteticamente, se todas elas aderirem ao pacote básico de R$ 9,90, haverá uma receita bruta de R$ 119 milhões na temporada. Deste valor, serão descontados custos e impostos. O que sobrar é dividido por dois. Metade para o Cruzeiro, metade para o Renner. Na expectativa de que valores cresçam conforme cruzeirenses usarem produtos financeiros.

Marcio Alaor, do BMG, e Luis Paulo Rosenberg, do Corinthians — Foto: Allan Louros / Divulgação

Marcio Alaor, do BMG, e Luis Paulo Rosenberg, do Corinthians — Foto: Allan Louros / Divulgação

O negócio do Corinthians é mais complexo porque, uma vez que não há cobrança de tarifas, a diretoria alvinegra pode conseguir a mesma quantidade de contas abertas, 1 milhão, e isso não gerará receita nenhuma. Clientes precisarão pegar dinheiro emprestado e pagar juros por ele, e só então algum trocado entrará no caixa do clube.

O produto queridinho do BMG é o cartão de crédito consignado, cujas parcelas são abatidas diretamente com o salário do sujeito, sem que ele tenha a opção de não pagar, assim como acontece com um empréstimo consignado. Da receita obtida com essas operações de crédito também serão descontados custos e impostos. O lucro é que se divide.

Custos não são desprezíveis. Apesar do senso comum de que todo banco tem cofres gigantescos e abarrotados de grana nos fundos, a real é que instituições financeiras não têm o dinheiro que emprestam. Elas entregam R$ 1 ao cliente com taxa de CDI + 10%, digamos, ao mesmo tempo em que pegam R$ 1 emprestado com outro banco e taxa de CDI + 2%. É na diferença entre as duas taxas que ela ganha dinheiro. Isso se chama spread bancário. E o que quer dizer? Que além da dificuldade de fazer o torcedor abrir a conta e pegar dinheiro emprestado, ainda há uma operação custosa por trás para fazer a máquina funcionar.

 

Clubes terão de convencer torcedores a pagar taxas e juros de produtos financeiros, senão ficarão sem a receita sonhada com o patrocínio

 

Engajamento e portabilidade: mais dificuldades
Dirigentes têm o costume de se basear em supostos tamanhos de torcidas na hora de calcular possíveis ganhos. Wagner Pires de Sá, presidente do Cruzeiro, falou em 10 milhões de cruzeirenses na entrevista coletiva de apresentação do patrocínio. Número que faz a projeção de 1 milhão de contas abertas no Digimais parecer factível.

O histórico do futebol recomenda parcimônia, no entanto. Tamanhos de torcidas são estimados por meio de pesquisas por amostragem, nas quais a pessoa se identifica torcedora desse ou daquele time. Não quer dizer que ela consuma produtos ligados a ele. Nem sequer que o acompanhe. Programas de sócios torcedores, produtos licenciados, todos sempre mostram números realizados abaixo dos sonhados.

Ainda há a dificuldade de fazer com que alguém mude de instituição financeira. Por comodidade ou confiança adquirida ao longo do tempo, além dos benefícios e taxas, não é comum gente trocar de banco como muda de sapato. Faz sentido para banqueiros a aproximação ao futebol, como tentativa de apelar ao lado emocional para fãs que migrem contas. Não fará diferença para o torcedor que não dá tanta bola assim.

Nenhum desses desafios invalida a tentativa. Contratos de patrocínio com remuneração variável, na pior das hipóteses, farão com que dirigentes trabalhem em prol das empresas que os patrocinam. Isso tende a ser produtivo, à medida que outros setores, hoje distantes do futebol, podem se interessar por ele a partir de um caso bem sucedido. A sugestão é por cautela. Se tudo der certo, o banco digital do seu clube de futebol vai levar tempo para maturar e se tornar realmente rentável.

PS.: Este jornalista tomou aulas sobre bancos com Cesar Grafietti, ex-superintendente de crédito do Itaú BBA, hoje consultor da CBF.

Entenderam, meus caríssimos "colegas de sofrimento, Emílio, Msb, Cadu, Vini-s, Petrantonio, LS Cunha(só para citar alguns dos foristas com que tenho mantido interlocuções mais aprofundadas neste fórum e a quem julgo serem pessoas capacitadas para colaborar com o Botafogo, caso o clube se abrisse para a torcida), o porquê de eu continuar a acreditar que a grande revolução que transfomará o Botafogo é a contratação do prometido CEO, pelo atual presidente?

Gente, acordem! Quando o Durcésio fala em CEO, não se refere a um Nicanor da Vida, não! Pelo menos, ao meu sentir, o CEO prometido para salvar o Botafogo, também não poderá ser mais um apaniguado que faz parte da "Turma da Rodinha" de General Severiano, não! CEO que é CEO tem que ser um daqueles profissionais capacitados, competentes, que possuam experiência em SALVAMENTO DE GRANDES empresas; CEO a que me refiro é um profissional especialista em, por exemplo, transformar empresas em estados prefalenciais como a São Paulo Alpargatas na potência mundial; a fazer com que uma pré falida Sadia, se una à sua inimiga Perdigão que também cambaleava e o resultado disso quem é do ramo sabe qual é; o CEO que espero do Durcésio tem que ser um cara com visão  estratégica para transformar uma Fábrica de Capotas de Fibra de Vidros de fundo de quintal (Capotas América  que fabricava nos anos 90 "cabines dupladas para Camionetas) em ninguém mais do que a CAOA - simplesmente, a indústria automotiva Yundai no Brasil; CEO a que me refiro é aquele profissional que consegue a proeza de transormar um simples Leite Piracanjuba, do interior de Goiás, na cidade do mesmo nome, em PIRACANJUBA/NESTLÉ e por aí vai... 



Nicanor Passos

Desde 09/2020
Goiânia/GO

Nilton Santos


Em 21/02/2021 às 08:24
 

Vou incluir também a pessoa do Manga, no rol dos “colegas de sofrimento”, (Emílio, Msb, Cadu, LS Cunha, Vini-s e Pietrantonio, com quem tenho conversado mais diretamente, apesar das nossas “tretas”), porque este último, se não estou enganado, tem ligações com a FGV – portanto, sabe do que estamos falando.

Pois bem.

Independentemente das querelas que, durante anos, travam “Bebetistas X Montenegrinos” (cujo desfecho ainda está por vir, já que as discussões não passam de meras bobagens que nada acrescentam ao nosso Botafogo), há uma frase do Bebeto de Freitas que devemos prestar bastante atenção:

- “O problema do Botafogo está no próprio Botafogo”.

Em sã consciência, algum forista já parou para pensar, analisar, fazer aquilo que nos nossos velhos tempos de infância, nos era repassado nos bancos de madeira, nas salas de aula, pelos nossos professores, como tarefas (“Lição de Casa”), sempre antes de o sinal do grupo escolar tocar o sino? Refiro-me, para os “das antigas” à saudosa “DECOMPOSIÇÃO” de textos.

Pois é, meus caros, se a gente fizer uma “decomposição” nessa frase do Bebeto, vasculhando onde estão, na oração, o sujeito (próprio, ou oculto?), o predicado, o objeto (se é direto ou indireto), vamos perceber o que ele quis dizer, nas entrelinhas do texto – que dá margem a interpretações, não apenas gramaticais, mas, principalmente, teleológicas.

Em resumo, a grandeza da frase, não está no que a oração escancara, mas no que esconde nas suas entrelinhas. Por exemplo: Quando ele disse que “o problema do Botafogo” esse “problema” – ao contrário do que muitos pensam – não é, na verdade, um “problema”, mas uma “solução”. Ou seja, a transitivação verbal (está), aqui, não é “direta”, mas “indireta”.

E porque (aqui fazendo uso da carapuça que me foi dirigida pelo colega Pietrantonio, à qual visto de bom grado), com este meu “ar professoral, chato e pernóstico”, estou dizendo tudo isso?

Por que, escondida atrás da frase do Bebeto, dentre outras “dicas” que o mesmo escancarou na resposta dada ao entrevistador (Juca Kfouri) esconde-se aquilo que, de há muito, quem dirige o Botafogo já deveria saber: Mais do que uma simples crise financeira, a principal crise que o Botafogo precisa vencer é uma crise identitária. O Botafogo vive, há mais de um século, uma seríssima crise: Crise de Indentidade!

Qual é, afinal, a identidade do clube, perante os seus torcedores, simpatizantes e comunidade em geral?

Fico por aqui, convidando os colegas citados a refletirem sobre o que tenciono dizer sobre a “crise de indentidade” que o Botafogo precisa vencer.

Voltarei a este assunto, para responder à pergunta que meu “inimigo íntimo” fez, após o retorno ao Canal (qual é a verdadeira intenção do Nicanor?), para dizer, não apenas a ele, mas a todos os que aqui frequentam este fórum, citando exemplos, aonde pretendo chegar.



 
Páginas:

Fórum CANALBOTAFOGO - O Seu portal do Botafogo de Futebol e Regatas